PUBLICIDADE

SPFW: Ronaldo Fraga tece ode ao Cariri com poesia e linho

23 jun 2021 19h38
| atualizado às 19h41
ver comentários
Publicidade

Ronaldo Fraga abriu a 51ª edição do SPFW com o curta-metragem "Terra de Gigantes",  mostrando a cultura da região do Cariri, no Ceará, com poesia política, misturando religião, cinto de castidade, renda richelieu e peças feitas com linho, em tons fortes e alegres. O filme teve como a modelo natural do local, Suyane Moreira.

Suyane Moreira com look Ronaldo Fraga
Suyane Moreira com look Ronaldo Fraga
Foto: Reprodução/Instagram/@suyanemoreira / Elas no Tapete Vermelho

Narrado pelo próprio Ronaldo, com texto elaborado por ele, as roupas usadas pela top estavam lá, mas o contexto todo se voltava para os museus orgânicos, que são as próprias casas dos mestres artesão e artistas da região. Assim, as túnicas, vestidos, macacões se mimetizavam com o cenário colorido e rico do local, onde em 1817 foi erguida a primeira igreja da região e onde hoje abriga os fiéis de Padre Cícero, em Juazeiro. E que abrigou os primeiros escravos, os judeus perseguidos e padres catequizadores.

As cores das roupas também se misturavam aos tons locais, como azul, rosa, amarelo, laranja, ora juntos, em colagens de tiras ou de rendas, ora em looks quase monocromáticos. Roupas deliciosas para serem usadas com propósito e uma mensagem clara, nas palavras do próprio Ronaldo: "Temos que fazer uma nova escrita, para não repetir os erros de negação e extermínio das civilizações e culturas originais. Para reerguer os escombros do nosso país, é resgatando a nossa cultura original".

Os looks mostrados por Ronaldo estão lá para isso. "A coleção Terra de Gigantes é para mostrar um Brasil que existe, que resiste e que insiste", disse o estilista após a apresentação. E, ao contrário da apresentada na edição passada, em que voltou a falar de Zuzu Angel, da ditadura e dos tempos escuros em que estávamos e estamos vivendo, hoje ele veio com uma coleção poética.

"Me cobraram se, justo agora neste momento em que estamos vivendo, eu não faria uma coleção política. Todas minhas coleções são politicas, essa é um manifesto político poético", afirmou. E a gente só pode agradecer esse respiro colorido e sensível neste momento em que o pais contabiliza mais de 500 mortes por Covid e quando o pesadelo ainda está longe de acabar.

Confira o desfile aqui

Elas no Tapete Vermelho
Publicidade
Publicidade