PUBLICIDADE

Ronaldo Fraga leva a história da arte têxtil para passarela da SPFW

17 nov 2021 17h40
ver comentários
Publicidade

Por traz da trama de um tecido há um emaranhado de histórias. Com essa ideia em mente, o estilista Ronaldo Fraga 'costurou' o desfile que acaba de apresentar de forma virtual na São Paulo Fashion Week. Com o tema Entre Tramas & Beijos, a produção, ambientada em Guabiruba, cidade vizinha a Brusque, em Santa Catarina - um dos principais polos têxteis do país -, o mineiro usou do lúdico e produziu uma festa imaginária cujos participantes usavam peças composta em tecidos jacquard e mostravam a gastronomia e música que fazem parte da cultura local.

Ronaldo Fraga criou uma festa imaginária
Ronaldo Fraga criou uma festa imaginária
Foto: Divulgação / Elas no Tapete Vermelho

Segundo o estilista, a indústria têxtil é mais uma indústria geradora de produtos, emprego e renda. "Sua força se faz presente enquanto vetor de afirmação cultural vestindo a casa do corpo e o corpo da casa. E a importância do seu significado permeia muitas esferas - social, cultural, econômica e política de um país - a ponto de influenciar um estilo de vida de uma época, sendo capaz também de traduzir seus desejos de mudanças ou a permanência de suas tradições", diz no texto de apresentação do vídeo.

Modelos usaram peças com tecido jacquard, inspirados na cultura catarinense (Fotos: Divulgação)
Modelos usaram peças com tecido jacquard, inspirados na cultura catarinense (Fotos: Divulgação)
Foto: Elas no Tapete Vermelho

O casting da produção foi formado por funcionários da RenauxView - empresa com a qual ele desenvolve tecidos exclusivos há mais de 15 anos -, com diferentes biótipos. Um deles foi Walter Orthmann, com  99 anos, considerado pelo Guinness Book 'o colaborador com mais tempo de atuação em uma mesma empresa em todo o mundo'.

Fraga diz que resgatou desenhos florais criados há 100 anos, usados nas cortinas, produzidos na antiga fábrica Renaux. "São flores que um dia vestiram paredes e janelas do Brasil e agora vestirão diferentes corpos e histórias para uma grande festa que é a moda". E completa: "É também o resgate da fantasia tão necessária nesses tempos cinzas e áridos. Foram desenvolvidos diferentes pesos e histórias de amor entre fios de algodão e fios de seda, linho e viscose. Reforço o papel da roupa e tecidos como manto de sustentação na construção de personagens diários e como molduras na parede da memória de cada um. A cultura de um lugar se manifesta na forma como as pessoas moram, comem, festejam e, principalmente, no que elas vestem. E a soma de tudo isso se chama vida."

Abertura

O Projeto Cria Costura, formado por talentos em design de moda entre paulistanos da periferia, abriu o segundo dia de desfiles da São Paulo Fashion Week. Ao som de carrinhos ambulantes, um cortejo formado pelos participantes junto da embaixadora do projeto, Amanda Pieroni, percorreram o evento - alguns com bandeiras em punho - até chegar à sala de desfile. De criadores viraram modelos, que usaram a mesma peça de várias formas diferentes, mostrando que a moda hoje é diversa e democrática. 

Desfile Cria Costura
Desfile Cria Costura
Foto: Agencia Fotosite / Elas no Tapete Vermelho

Sob a batuta do estilista e consultor Jefferson de Assis, os participantes - o grupo é formado 90 % por mulheres - foram orientados para desenvolver habilidades de criação e design, e desafiadas a aplicar técnicas de costura no desenvolvimento de produtos de edição limitada. O programa teve início em julho com um laboratório de imersão criativa a partir da metodologia zero waste, método de modelagem consciente que os designers vêm utilizando para diminuir a quantidade de resíduo têxtil.

O primeiro piloto do programa selecionou mulheres em situação de vulnerabilidade, formadas em corte e costura e residentes de Cidade Tiradentes, um dos pólos vocacionais de moda em São Paulo, no coração da zona leste. O projeto é uma parceria do SPFW e do In Mod com a Prefeitura de São Paulo.

Elas no Tapete Vermelho
Publicidade
Publicidade