1 evento ao vivo

Esotérico

Dia das Mães: aproveite para celebrar essa relação especial

pixelfit / iStock
12 mai 2018
12h00
  • separator
  • comentários

Segundo domingo do mês de maio, a famosa data de homenagem às mães. Um dia especial, só delas. Como comemorar de forma construtiva? Que tal pensar, com atenção, em nossas mães e a avaliar essa relação tão especial?

Eu fiz isso com o auxílio do trabalho artístico da fotógrafa Mihaela Noroc. Com grande sensibilidade para o “maternal” ela rodou planeta afora fotografando mães com seus filhos. O resultado, captando a química íntima entre eles, revela grande beleza, momentos especiais e inspiradores.

Cada imagem que passava na tela do meu computador, mostrando beleza, vínculo, ternura, cumplicidade, apego e amor nos mais diferentes cantos da Terra, confirmava: mãe é a única coisa no Universo que é totalmente indispensável e radicalmente necessária.

Todo mundo, sem exceção, tem. Se não há mãe, filhos não existem. Um ser humano só o é, por conta do ventre que o criou de minúscula célula a pessoa, o que é tão óbvio, que pouco pensamos nisso. Nem na nossa própria consciência nos damos conta de que só somos seres humanos, porque ela também é.

Viva ou falecida, desconhecida ou próxima, ela está sempre presente: na curva do nosso rosto, no formato da testa, no comprimento das pernas, na ponta dos dedos, no nosso jeito próprio de andar, e mesmo na maneira de reagir: a mãe sempre se denuncia em nós. Não herdamos só dela, mas muito dela.

Embora a figura de mãe sempre se organize em torno de um modelo ideal, de criatura abnegada, que pensa sempre e antes nos filhos, e que de preferência se sacrifica por eles, existem aquela –e quantas- que se afastam desse modelo, tão de acordo com o Dia das Mães. Parece, a partir desse molde, que toda mãe é boa, participativa, compreensiva e, principalmente, sempre coloca o filho acima de tudo e de todos.

O que dizer então, das mães que se afastam do modelo? Daquelas que exercem poder sobre os filhos, comandando a vida deles, como generais em perene batalha, impedindo-os de crescer e ter autonomia? E daquelas que acham que o filho é uma chave de prender o pai em casa, confundindo competência com envolvimento afetivo, despertando remorsos, onde não há culpas?

Longe do modelo estão também aquelas que, impacientes, beliscam, batem e machucam as crianças e até os adolescentes. Mas o pior são as que ferem, sem nenhuma agressão física, só pelo olhar, pelo uso de palavras ásperas ou irônicas. Tem também as engraçadas, que adoram as crianças, mas se apavoram e se desorganizam, numa simples falta da babá.

Indiscutivelmente, tem mãe de todo tipo. O interessante é que no Dia das Mães, é possível reconsiderar, fazer um balanço anual e perdoar. Perdoar as atitudes às vezes grosseiras, a impaciência, alguma agressão mais forte, a incompreensão, a invasão sem limites nas decisões dos filhos, entre outras circunstâncias difíceis de serem aceitas na vida de cada um de nós.

Aproveite essa data. Procure sua mãe e faça um exercício de encontro afetivo, aceitação das dificuldades, perdão. Outra oportunidade como essa, só daqui um ano.

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também

Fonte: Marina Gold

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade