0

Chances de gravidez de múltiplos na FIV podem ser reduzidas

29 ago 2012
09h02
  • separator

Na reprodução assistida, é normal que mais de um embrião seja formado, para aumentarem as chances de gestação. Por isso, a gestação de múltiplos é mais comum em mulheres que passaram por esses procedimentos. Mas, com o desenvolvimento de novas técnicas e estabelecimento de certas normas, a medicina tenta diminuir a incidência de múltiplos nascidos por esses métodos.

O desenvolvimento de técnicas e resoluções recentes visa diminuir a incidência de múltiplos nascidos por reprodução assistida
O desenvolvimento de técnicas e resoluções recentes visa diminuir a incidência de múltiplos nascidos por reprodução assistida
Foto: Dreamstime / Terra



A gravidez de múltiplos está associada a maiores riscos, tanto para a mãe, quanto para os bebês. Pré-eclâmpsia (pressão alta gestacional), má-formação, abortamentos e bebês prematuros são mais comuns.



Tendo em mente reduzir as chances de múltiplos, uma resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) de 2010 acrescentou o critério da idade à orientação da quantidade de embriões transferidos. Quanto mais velha a mulher, maior o número de embriões que podem ser implantados. "Os dados são baseados no potencial de gravidez. Com o passar da idade, as chances vão caindo", explica Fábio Eugênio Rodrigues, diretor da clínica de reprodução humana Bios. Segundo as normas do CFM, é permitida a transferência de dois embriões em mulheres de até 35 anos, três naquelas entre 36 e 39, e quatro nas com mais de 38.



Em alguns países europeus, as políticas são mais rigorosas e é adotada a prática do embrião único. "Mas é importante dizer que, nesses países, o governo normalmente custeia o tratamento", conta o especialista. "Acredito que a norma do CFM está correta para a realidade brasileira", opina.



Segundo o médico, o objetivo de toda reprodução assistida é a gravidez de um bebê único e saudável. "Mas é bom ter em mente que essas pessoas passaram tanto tempo tentando engravidar que às vezes uma gravidez de gêmeos é bem-vinda. A mulher consegue levar um pré-natal de gêmeos. O que a gente evita a todo custo é a gravidez de múltiplos de maior quantidade", afirma.



Avaliar o embrião

Embora o máximo de embriões transferidos seja estipulado pelo CFM, o mínimo quem decide é o casal, orientado pelo médico. Ele poderá analisar a qualidade do embrião e considerar as chances de implantação. "Há várias tecnologias que estão sendo desenvolvidas para melhorar a seleção embrionária", afirma Fábio.



O responsável pode fazer uma análise visual do embrião, para avaliar os critérios morfológicos. "Ao longo do tempo, esse exame foi e é o mais utilizado. Mas também se observou que é um critério que pode falhar", comenta ele. Por isso, outros critérios também são utilizados, como a observação do meio de cultura do embrião e do processo de divisão celular.



Há ainda a possibilidade da análise genética, que determina se há alguma alteração nos cromossomos do embrião. A técnica da hibridização genômica comparativa por

microarray

(aCGH, pela sigla em inglês) é uma das mais recentes. "Essa técnica melhorou muito a capacidade de dizer se o embrião é cromossomicamente normal e de selecionar o melhor", acredita o médico.



Congelamento de embriões

Outra forma de se evitar gestação de múltiplos é inserir apenas um embrião e congelar o excedente, para um uso posterior, se necessário. "Sai muito mais barato do que fazer todo o processo de novo", afirma Fábio. "As técnicas auxiliares de congelamento evoluíram muito e mantêm o mesmo potencial de implantação", diz.



Não apenas FIV

Outros processos de reprodução assistida, como a indução ovulatória e a inseminação artificial, também aumentam as chances de ter gêmeos. Em ambas, é feita a estimulação para a mulher liberar mais de um óvulo e, nesses dois casos, essas células serão fecundadas dentro do organismo dela. "O risco de gravidez de múltiplo geralmente é maior em procedimento de menor complexidade, porque não se sabe quantos óvulos vão ser fertilizados", afirma Fábio. "Na FIV, eu sei quantos embriões estou transferindo, então tenho um controle maior", completa.



Busca um especialista em Fertilidade?

Clique aqui

e confira a lista dos profissionais

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Fonte: Cross Content
publicidade