0

Projeto usa WhatsApp para levar informações para empregadas domésticas

'Zap Zap das Domésticas' chega a sua segunda edição trazendo informações sobre direitos trabalhistas e cuidados com a saúde em meio à pandemia do novo coronavírus

11 jul 2020
12h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Projeto usa recursos como áudios e vídeos para explicar os direitos das empregadas domésticas
Projeto usa recursos como áudios e vídeos para explicar os direitos das empregadas domésticas
Foto: Observatório do Direito e Cidadania da Mulher / Reprodução / Estadão

Transmitir informações e tirar dúvidas de forma acessível e simples. Esse é o objetivo do projeto Zap Zap das Domésticas, criado em 2018 e que chega agora em sua segunda edição. A ideia é usar o WhatsApp, aplicativo de troca de mensagens, para interagir com empregadas domésticas, apresentando e explicando seus direitos e, agora, tirando dúvidas sobre a pandemia do novo coronavírus.

O projeto foi idealizado pelo Observatório do Direito e Cidadania da Mulher, grupo formado em 2015 por pesquisadoras de diversas áreas. Mariana Fidelis, advogada e integrante do Observatório, explica que ele tem como objetivo "ampliar os canais de diálogos, com as categorias das mulheres", entre eles os das empregadas domésticas.

Mariana destaca que 90% dos empregados domésticos são mulheres, portanto o Observatório achou importante criar um projeto voltado para essa categoria. Outro fator importante foi que em 2016 entrou em vigor as regulamentações da chamada PEC das Domésticas, que trouxe direitos trabalhistas para a categoria.

A princípio o grupo de Mariana criou um guia explicando a PEC e os novos direitos e obrigações das domésticas, mas acharam que o material ficou muito pesado e complicado. "Decidimos usar outros tipos de linguagens, como vídeos e áudios, para levar essas informações", conta a advogada. E com isso surgiu o Zap Zap das Domésticas.

Para colocar a ideia em prática foi criado um grupo no WhatsApp aberto para qualquer empregada doméstica interessada. Na primeira fase do projeto, o grupo foi usado para compartilhar vídeos, áudios e mensagens de texto curtas explicando a PEC e também a Reforma Trabalhista, e o que mudava para essas profissionais.

A segunda temporada do projeto irá durar mais uma semana, mas o grupo continuará e todo o material será disponibilizado no canal no YouTube do Observatório. A ideia, segundo Mariana, é já começar uma terceira fase, com a disponibilização de uma revista que explica o processo de luta das empregadas domésticas por direitos.

"Muitas mulheres até hoje não conhecem a lei [PEC das Domésticas], e sequer conhecem a história de como foi feita a luta", justifica Mariana.

Uma das empregadas domésticas que participa do grupo é Selma dos Santos Dias de Sousa, que mora na cidade de São Paulo. Ela entrou na primeira parte do projeto, e continuou sua participação nessa nova fase.

"Pra mim o projeto é maravilhoso. Elas enviam vídeos explicando as coisas, eu aprendi muita coisa com o projeto. Recomendo para as minhas amigas, quem trabalha comigo, você aprende muita coisa", comenta Selma.

Ela destaca que o projeto é importante não apenas por explicar os direitos, mas também como uma forma de valorizar a profissão. "Às vezes a gente fica meio triste, não só eu como todas as domésticas, porque é um serviço pouco valorizado, então a gente perde o interesse [em questões sobre o tema]", explica Selma.

Graças ao grupo ela conta que conseguiu aprender sobre seus direitos e também tirar dúvidas sobre questões trabalhistas. Selma, por exemplo, não entendia direito o funcionamento do FGTS, e aprendeu sobre graças ao projeto.

"Elas falam sobre o que temos direito, o que o empregador tem direito, para mim nesse período [de pandemia] é muito, muito importante mesmo", afirma a doméstica.

O projeto ainda está com vagas abertas para novos membros, que podem se cadastrar entrando em contato com o número (11) 993183036, enviando nome, telefone, idade e bairro onde mora. É possível ser redirecionado para o número clicando aqui.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade