PUBLICIDADE

Análise do DNA da pele pode frear envelhecimento precoce

É possível descobrir por meio de exame, realizado uma única vez na vida, de preferência ainda na juventude, alguns dos genes ligados ao envelhecimento da pele. Desta forma, o médico pode indicar tratamentos para tentar mudar a expressão gênica e evitar o envelhecimento precoce

15 ago 2014 08h17
ver comentários
Publicidade
Desencadeadas em decorrência de diversos fatores, as manchas, geralmente, são marcas mais escuras que  podem apresentar variações de cor, que vão entre o marrom e o preto, assim como diferentes formas
Desencadeadas em decorrência de diversos fatores, as manchas, geralmente, são marcas mais escuras que podem apresentar variações de cor, que vão entre o marrom e o preto, assim como diferentes formas
Foto: Thinkstock

Como envelhecer com qualidade de vida, saúde e manter a aparência da pele, no mínimo, condizente com a idade? Essas, dentre outras indagações, são cada vez mais inerentes à sociedade moderna, que deseja viver mais, aparentando menos. É por esta razão que a tendência mundial é a análise do mapeamento genético em todas as áreas de medicina, inclusive, detectar alterações em alguns genes associados à saúde da pele para tentar mudar a trajetória.

Quando solicitado pelo médico, o exame identifica as variantes genéticas associadas à predisposição de perda de colágeno precocemente (que acelera o processo de formação de rugas), a capacidade da pele de responder a estímulos inflamatórios (irritação a procedimentos e grau de sensibilidade da pele), a eficiência de destoxificação (eliminação de substâncias tóxicas como poluentes, corantes e tabaco), a capacidade antioxidante e o processo de fotoenvelhecimento, ambos geralmente causados pelo acúmulo de radicais livres e a predisposição à dermatite atópica (coceiras, descamações, vermelhidão etc). 

Variação do DNA
A Dra. Michelle Vilhena, Médica Patologista do Centro de Genomas® - laboratório referência no Brasil nesse tipo de exame - explica que o genoma humano apresenta uma diferença de apenas 0,1 a 0,5 % entre os indivíduos. Essas variações nas sequências do DNA, conhecidas como polimorfismos, são responsáveis por características próprias de cada um. Portanto, a saúde da pele também depende da forma como as variações genéticas se expressam nas suas células e proporcionam o seu desgaste e envelhecimento precoce. 

"Um laudo do mapa genético da pele é emitido, com referências embasadas na literatura científica, contendo dados específicos e seguros de cada paciente sobre os principais aspectos que envolvem o envelhecimento da pele. Assim, o dermatologista pode utilizar esse resultado como uma ferramenta de auxilio associada ao quadro clínico do paciente, estabelecendo um tratamento personalizado, na tentativa de mudar a forma como esses genes se expressam, detalha a Dra. Michelle.

 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade