PUBLICIDADE

Banco Mundial vai emitir US$ 200 mi em crédito para reflorestamento da Amazônia

O título fornecerá financiamento para iniciativas de reflorestamento selecionadas pela startup brasileira Mombak

13 jun 2024 - 14h36
(atualizado às 15h00)
Compartilhar
Exibir comentários
Desmatamento na fronteira entre o Cerrado e a Amazônia no Mato Grosso
Desmatamento na fronteira entre o Cerrado e a Amazônia no Mato Grosso
Foto: Reuters

O Banco Mundial anunciou nesta quinta-feira, 13, que vai emitir um novo título que deverá arrecadar cerca de US$ 200 milhões para apoiar os esforços de reflorestamento da Amazônia, escolhendo o HSBC para estruturar a transação.

O título fornecerá financiamento para iniciativas de reflorestamento selecionadas pela startup brasileira Mombak, que compra terras degradadas de agricultores e pecuaristas ou faz parceria com eles para replantar espécies nativas na maior floresta tropical do mundo.

O modelo de negócios da Mombak gera créditos de remoção de CO2 que podem ser vendidos nos mercados de carbono. Uma parte do retorno pretendido dos títulos estará ligada ao valor dos créditos gerados pelos projetos, disse o Banco Mundial.

"Esta transação é uma continuação deste mercado que estamos tentando desenvolver", disse o vice-presidente do Banco Mundial, Jorge Familiar, à Reuters, referindo-se ao chamado modelo de "obrigações de resultado" que o banco lançou no início desta década.

Tais obrigações, de acordo com a instituição, permitem aos investidores apoiarem projetos sustentáveis específicos e os seus resultados. Os títulos atraem capital privado e transferem o risco de desempenho do projeto para os investidores, que são recompensados se as atividades forem bem sucedidas.

Iniciativas semelhantes do Banco Mundial incluem um título de 100 milhões de dólares para financiar projetos de redução de plástico no Gana e na Indonésia e outro de 150 milhões de dólares focado em apoio aos esforços para aumentar a população ameaçada de rinocerontes negros na África do Sul.

A Mombak, que é apoiada por empresas de investimentos como Bain Capital e AXA e vendeu créditos de carbono para companhias como McLaren e Microsoft, espera que a emissão do Banco Mundial seja uma virada de jogo para a nascente indústria de remoção de carbono no Brasil.

Visto como arriscado por muitos investidores, o setor tem enfrentado dificuldades na obtenção de empréstimos para reduzir o custo do capital e das operações financeiras, que são caras porque as empresas precisam comprar terrenos e plantar árvores, disse o cofundador da Mombak, Peter Fernandez.

"É preciso muito dinheiro para fazer o reflorestamento; e por ser uma atividade tão nova, o custo do capital é bastante elevado", observou ele, acrescentando que a transação poderá ajudar a desbloquear mercados de dívida para outros interessados no setor.

Os críticos dos mercados de compensação de carbono, incluindo o Greenpeace, dizem que eles permitem que os emissores de poluentes continuem a libertar gases causadores do efeito estufa.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade