PUBLICIDADE

Pérez, Vettel e Gasly, o inesperado pódio do Azerbaijão

Sergio Pérez, Sebastian Vettel e Pierre Gasly subiram pela primeira vez no pódio em 2021 na pista de rua de Baku

7 jun 2021 17h41
ver comentários
Publicidade
Sergio Pérez: grande vencedor do GP do Azerbaijão.
Sergio Pérez: grande vencedor do GP do Azerbaijão.
Foto: F1 / Twitter

O Grande Prêmio do Azerbaijão coroou mais um vencedor inédito. Dessa vez, Sergio Pérez, da Red Bull, conquistou a primeira vitória no circuito de rua de Baku, a segunda na carreira. O mexicano é o quinto piloto a vencer nessa pista. Apesar de ser o primeiro conquistado pela Red Bull, Pérez já conhecia o caminho do pódio: foram dois terceiros lugares com a Force India: em 2016, no então chamado GP da Europa, e o segundo em 2018.

E foi uma corrida que deu a sensação de estar em uma montanha russa, ou melhor, azerbaijana, começando com a pole da Ferrari de Charles Leclerc, um tanto inesperada para o final de semana de domínio da Red Bull. Após a largada, o monegasco foi perdendo posições: na segunda volta para Lewis Hamilton, para Max Verstappen na sexta volta e para Pérez na volta seguinte. 

A Mercedes parou antes da Red Bull nos boxes, mas Hamilton perdeu tempo demais em uma parada de 4.6 segundos. Duas voltas depois, Verstappen fez uma parada de 1.9 segundos. Era uma questão de tempo para assumir a primeira posição, que naquele momento estava com Sebastian Vettel, que liderou algumas voltas em Baku até fazer o pitstop. 

Apesar de fazer uma parada mais lenta, Pérez ainda saiu na frente de Hamilton. Para quem achou (como eu) que a posição pudesse ser retomada na pista, achou errado! Dessa vez o motor e o ajuste da asa da Mercedes não foram suficientes para superar a Red Bull do mexicano. Não adiantava Hamilton reclamar com a equipe. E se para ele tava ruim, imagina para Valtteri Bottas que nessa altura estava na P10, atrás da McLaren de Lando Norris… Esse não foi, definitivamente, o final de semana do finlandês. 

A corrida seguia um tanto previsível, até Lance Stroll perder o controle da Aston Martin na reta. Um furo no pneu traseiro esquerdo foi o responsável pela saída do canadense da pista, que estava na P4 e era o único que ainda seguia com os compostos duros, desde o início da corrida. O Safety car foi acionado, como já se esperava em algum momento da prova. Afinal, um deslize pode custar a corrida em Baku. 

O tetracampeão Vettel no pódio com Pérez e Gasly.
O tetracampeão Vettel no pódio com Pérez e Gasly.
Foto: F1 / Twitter

Na relargada, Verstappen se manteve na liderança, Perez em segundo e Hamilton em terceiro. Mas, foi Sebastian Vettel quem mostrou que iria para o tudo-ou-nada: ultrapassou Charles Leclerc e uma volta depois, deixou para trás Pierre Gasly. Pérez segurava Hamilton para deixar Verstappen acelerar o quanto pudesse lá na frente. Começávamos a sentir um cheiro de dobradinha da Red Bull no ar, mas como Baku é Baku, Hamilton ainda disputava com Pérez e Verstappen a volta mais rápida da corrida. 

Faltando menos de dez voltas para o final, os deuses da velocidade resolveram mostrar porque Baku é Baku. O pneu traseiro esquerdo de Verstappen também estourou, o carro rodou na reta, encontrou o muro, decretando fim de prova para o holandês e a perda da liderança no mundial. Safety car novamente na pista, mas por segurança a direção de prova decidiu pela bandeira vermelha. Corrida interrompida a duas voltas do final!

Carros alinhados no grid. Lewis Hamilton tinha tudo para ultrapassar Pérez, conquistar mais uma vitória e retomar a liderança do campeonato. Seria o melhor dos cenários para um final de semana em que a Mercedes não era a favorita em Baku. Quando as luzes se apagaram, Pérez tentou bloquear Hamilton. Por milésimos, o inglês conseguiu superá-lo, mas as rodas travaram e a Mercedes passou direto para a área de escape. E por muito pouco, ele não comprometeu a corrida da Red Bull. Hamilton caiu para a última colocação. 

Sem a Mercedes atrás de Pérez, Vettel assumiu a segunda posição e Gasly, numa briga com Leclerc na penúltima volta, conseguiu o terceiro lugar. Um pódio um tanto improvável, mas que coroou três pilotos com histórias de resiliência e superação. 

Checo Pérez, que até o final do ano passado, não sabia se continuaria na F1, é contratado pela Red Bull e a cada corrida oferece o seu melhor para a equipe. O pódio era mesmo apenas uma questão de tempo e a vitória, uma oportunidade quando Max Verstappen não estivesse em condições.

O tetracampeão Vettel, depois de sofrer durante os últimos anos em que passou pela Ferrari, foi recomeçar na Aston Martin. E como demorou para mostrar resultados, passou a ser questionado se não estava na hora de se aposentar. Estamos vendo que não. 

E Gasly, que já foi piloto da Red Bull e foi rebaixado para a AlphaTauri, tem uma vitória e conseguiu subir ao pódio pela terceira vez na carreira e mostrar o quanto ainda pode oferecer à equipe. 

O erro de Lewis Hamilton deixa o campeonato equilibrado: em seis etapas, três vitórias para a Mercedes e três para a Red Bull. É fato que não houve nenhuma mudança na briga pelo título: Verstappen segue com 105 pontos e Hamilton com 101 pontos. Em um final de semana em que a Red Bull sobrou em relação à Mercedes, o holandês poderia ter ampliado a vantagem. E caso o inglês vencesse ou mesmo terminasse a corrida na segunda posição, retomaria a liderança do campeonato e abriria vantagem para Max Verstappen. 

Mas, quiseram os deuses da velocidade que a corrida no Azerbaijão fizesse parte das histórias incríveis que a Fórmula 1 ainda é capaz de contar. Faltou sorte para Max Verstappen, Lewis Hamilton cometeu um erro que lhe custou a prova, Sergio Pérez segurou a Mercedes em um brilhante trabalho de equipe, Sebastian Vettel tirou um peso das costas conquistando o primeiro pódio pela Aston Martin e Pierre Gasly, mostrando que está para o jogo e que pode garantir bons resultados para a AlphaTauri na temporada.

No Mundial de Construtores, a Red Bull deu um salto: agora tem 174 pontos, enquanto a Mercedes, na segunda colocação, tem 148 pontos. Em terceiro lugar, a Ferrari está com 94 pontos e logo atrás, a McLaren está logo atrás com 92 pontos. 

A próxima etapa será o Grande Prêmio da França, disputado no circuito de Paul Ricard, daqui a duas semanas. 

Parabólica
Publicidade
Publicidade