PUBLICIDADE

Toshiba conspirou com o ministério do Japão para minar acionistas, apura investigação

10 jun 2021 08h53
| atualizado às 16h33
ver comentários
Publicidade

O influente ministério do comércio do Japão efetivamente conspirou com a administração da Toshiba para influenciar os votos dos acionistas sobre indicados a diretor na assembleia geral anual do ano passado, concluiu uma investigação independente.

Instalações da Toshiba em Kawasaki, Japão 
10/06/2021
REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Instalações da Toshiba em Kawasaki, Japão 10/06/2021 REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Foto: Reuters

Desacreditando os esforços do governo para melhorar a governança corporativa no Japão, o relatório dos investigadores descreve como o Ministério da Economia, Comércio e Indústria (METI) se apoiou no fundo de doação da Universidade de Harvard e outros investidores estrangeiros na Toshiba.

As revelações desta quinta-feira vieram depois que o principal acionista da Effissimo Capital Management, com sede em Cingapura, e outros investidores ativistas, em março, pressionaram com sucesso por uma investigação - uma vitória histórica para o ativismo dos acionistas no Japão.

A Reuters havia reportado anteriormente que o fundo de doação de Harvard havia sido informado por um consultor do governo japonês que poderia estar sujeito a uma investigação regulatória se o fundo não seguisse as recomendações da administração na assembleia de julho passado.

Isso pareceu ser corroborado pela investigação, que descobriu que a Toshiba havia de fato pedido a um conselheiro do governo para falar com o fundo de Harvard para mudar seu voto de forma que apoiasse a administração da Toshiba e se opusesse às propostas dos acionistas ativistas.

O fundo de Harvard acabou se abstendo de votar.

A investigação também descobriu que a Toshiba, com o ministério, tentou forçar a Effissimo a retirar as propostas dos acionistas para indicados ao conselho com o objetivo de melhorar a governança.

"A Toshiba, por assim dizer em uníssono com o METI, elaborou um plano para impedir a Effissimo de exercer o seu direito de proposta de acionista na assembleia", disse o relatório que foi conduzido por três advogados.

Ninguém estava imediatamente disponível para comentar o assunto no ministério. Anteriormente, disse que nunca pediu ao consultor para entrar em contato com os acionistas da Toshiba.

A Toshiba disse que "analisará cuidadosamente este relatório de investigação e planeja anunciar seus comentários sobre o resultado desta investigação em uma data posterior".

Estima-se que os investidores ativistas representem cerca de 25% da base de acionistas da Toshiba - uma proporção incomumente grande depois que a empresa, à beira do colapso, teve que emitir rapidamente cerca de 5,5 bilhões de dólares em ações em 2017.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade