PUBLICIDADE

Cientistas criam mão robótica com habilidade similar à humana

2 ago 2012 17h10
| atualizado às 18h10
Publicidade

Cientistas europeus indicaram ter desenvolvido a primeira mão robótica em tamanho natural com os cinco dedos, capaz de agarrar e manipular objetos com destreza similar à da mão humana.

Estudante interage com a mão robótica: alusão à obra A Criação de Adão, de Michelangelo
Estudante interage com a mão robótica: alusão à obra A Criação de Adão, de Michelangelo
Foto: Getty Images

Fazer robôs manipular objetos com precisão sempre representou um problema para engenheiros em sua busca por construir máquinas humanoides para ajudar nos serviços domésticos, em resgates de emergência e no trabalho fabril.

Já existem "apanhadores" robóticos industriais, capazes de segurar objetos e movê-los, mas que se mostravam incapazes de manipulá-los como a mão humana, como segurar um ovo sem quebrá-lo ou erguer coisas pesadas e volumosas. Construir protótipos com dimensões humanas também representou um desafio.

Uma equipe de cientistas italianos e alemães construiu a mão usando cordas que são torcidas por pequenos motores de alta velocidade nos cinco dedos, cada um com três segmentos, como as falanges.

Denominada Dexmart Hand, a invenção demonstrou ser capaz de manusear um delicado ovo de Páscoa e erguer uma carga de cinco quilos, explicou a equipe.

"Nós usamos a mão humana como modelo", afirmou o cientista Claudio Melchiorri, da Universidade de Bolonha, na Itália, em um comunicado da agência CORDIS Features, que divulga a pesquisa científica financiada pela UE.

A mão também tem um "cérebro" primitivo, continuou o comunicado.Sensores luminosos foram instalados na mão, possibilitando calcular a força necessária para que os dedos agarrem um objeto sem esmagá-lo ou deixá-lo cair.

"A habilidade da mão robótica é tão próxima da humana que a visão de robôs como ajudantes pessoais domésticos, em salas de cirurgia e em atividades industriais está se tornando a cada dia mais realista", afirmou Gianluca Palli, pesquisador da Universidade de Bolonha.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade