PUBLICIDADE

Presidente da Telecom Italia está pronto para sair e acelerar decisão sobre oferta da KKR

25 nov 2021 16h39
| atualizado em 26/11/2021 às 11h34
ver comentários
Publicidade

O presidente-executivo da Telecom Italia, Luigi Gubitosi, disse ao conselho de administração da empresa que está pronto para se afastar do cargo se isso ajudar a acelerar uma decisão sobre a proposta de aquisição feita pelo grupo de private equity norte-americano KKR, disseram fontes à Reuters nesta quinta-feira.

Escritório da Telecom Italia (TIM), em Roma, Itália
22/11/2021
REUTERS/Yara Nardi
Escritório da Telecom Italia (TIM), em Roma, Itália 22/11/2021 REUTERS/Yara Nardi
Foto: Reuters

A KKR fez uma oferta de 10,8 bilhões de euros (12 bilhões de dólares), em meio a uma disputa entre Gubitosi e o principal investidor da Telecom Italia, a Vivendi.

Gubitosi disse em uma carta enviada ao conselho nesta quinta-feira que é hora de agir, nomear assessores e tomar uma decisão sobre a oferta da KKR, disseram as fontes à Reuters.

"Atitudes do conselho que geram perda de tempo e possam ser interpretadas como destinadas a defender os interesses de certos acionistas devem ser evitadas", disse Gubitosi, na carta.

"Tecnicamente, poderíamos estar prontos para um 'data room' em 48 a 72 horas", disse o executivo no documento, referindo-se à prática de dar ao ofertante e seus assessores acesso aos livros de uma empresa para que possa conduzir uma diligência durante as negociações.

O grupo de mídia francês Vivendi tem pressionado por uma mudança no comando da Telecom Italia.

Os comentários de Gubitosi vieram enquanto os auditores e o comitê de risco da Telecom Italia examinavam a saúde financeira do grupo que controla a TIM no Brasil, depois que a empresa divulgou ao mercado dois alertas desde meados do ano sobre seus resultados, o que fortaleceu a corrente pela troca de comando.

A Vivendi não quis comentar.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade