PUBLICIDADE

Pandemia impulsionou transformação digital no setor jurídico

A dinâmica entre os departamentos jurídicos corporativos e seus consultores externos está mudando.

24 nov 2021 07h00
ver comentários
Publicidade
Marcelo Carreira analisa a transformação digital no setor jurídico
Marcelo Carreira analisa a transformação digital no setor jurídico
Foto: Access / Divulgação

Assim como tantas outras coisas do ano passado, a pandemia de Covid-19 pode ser parcialmente culpada da mudança da dinâmica entre os departamentos jurídicos e seus consultores externos. Mais de um ano após a crise de saúde pública, os gastos do departamento jurídico corporativo se recuperaram para níveis normais e as equipes internas estão recorrendo a seus escritórios de advocacia para obter ajuda com a adoção de tecnologias sofisticadas.

Na verdade, é como se soluções que estimularam a automação de processos ou forneceram insights de dados fossem invisíveis antes da pandemia. No entanto, as interrupções nos negócios niveladas pela Covid-19 podem ter forçado os céticos dentro dos departamentos jurídicos a superar sua aversão à tecnologia. 

À medida que as equipes internas se tornam mais inovadoras, elas esperam que os parceiros de consultoria externos desempenhem um papel de liderança em sua transformação digital ― e que os escritórios de advocacia teçam a tecnologia ainda mais firmemente em seus serviços.

Para os escritórios de advocacia, esse entusiasmo recém-descoberto dos clientes pela digitalização pode se traduzir em um aumento nas solicitações relacionadas à tecnologia, não apenas em termos de como os clientes estão incorporando tecnologia em seus próprios serviços, mas também como eles podem ajudar a orientar ou facilitar a própria transformação interna.

Os departamentos jurídicos estão aderindo cada vez mais por digitalização - e apesar de algumas das interrupções nos negócios do ano passado – estão dispostos a gastar o dinheiro necessário para obter os resultados desejados. De acordo com a Pesquisa Global Cushman e Wakefield, realizada com mais de 60 mil respondentes sobre o uso de espaço de escritório corporativo, apontou que 90% dos entrevistados pretendem adotar o trabalho híbrido pós-pandemia, no período pré-pandemia esse número era de 41%. 

E isso influencia diretamente na possibilidade de os departamentos jurídicos corporativos continuarem investindo em uma tecnologia que possa acelerar a prática do direito - ou pelo menos torná-la mais eficiente - independentemente de quaisquer restrições financeiras.

De acordo com a “Pesquisa Covid-19 do Departamento Jurídico de 2020” divulgada pela Deloitte em novembro passado, 62% dos diretores jurídicos e executivos jurídicos seniores esperam que os investimentos digitais continuem, apesar das medidas de contenção de custos. O relatório citou tecnologias como inteligência artificial/processamento de linguagem natural, automação de processos robóticos e gerenciamento do ciclo de vida do contrato como prioridades de investimento.

Mas a vontade de investir em tecnologia não significa saber quais soluções comprar ou onde aplicá-las. Para isso, os departamentos jurídicos podem estar recorrendo a parceiros confiáveis de escritórios de advocacia que conhecem seus negócios e têm uma visão de trabalho sobre como outros clientes corporativos estão implantando tecnologia.

É um passo além do papel tradicional de consultor jurídico ocupado pelos escritórios de advocacia há muito tempo - mas talvez necessário. Ocasionalmente, essas necessidades incluem ser correspondido com a solução tecnológica certa para um determinado problema ou assunto.

Às vezes, não se trata apenas de encontrar as ferramentas certas - trata-se de encontrar o lugar certo para usá-las também. À medida que as equipes internas procuram fazer mais com menos após um tumultuado 2020, algumas empresas estão sendo solicitadas a ajudar a identificar fluxos de trabalho que se prestam à automação.

Os escritórios de advocacia também estão automatizando alguns de seus próprios processos, em um esforço para passar algumas das eficiências adquiridas para os clientes mais adiante. Por exemplo, os departamentos jurídicos têm pressionado as empresas a serem mais rigorosas sobre o uso de soluções de faturamento eletrônico, que, quando devidamente aproveitadas, podem melhorar a adesão às diretrizes de cobrança de conselhos externos e fornecer dados valiosos de gastos.

Mas, embora as equipes jurídicas corporativas provavelmente apreciem receber faturas oportunas e precisas, os processos automatizados de gerenciamento de contratos podem estar entre suas principais preocupações, depois de passar um ano em águas pandêmicas agitadas. 

Quando a Covid-19 começou a fechar as operações comerciais no ano passado, muitas empresas confiaram em ferramentas de gerenciamento de contratos para ajudar a agilizar a busca por cláusulas de força maior e outras informações críticas enterradas sob pilhas de acordos.

A necessidade persistente de tal tecnologia se refletiu no mercado de automação jurídica ao longo de todo ano passado, com provedores como BlackBoiler e Evisort atraindo milhões de dólares em investimentos desde o início da pandemia. No entanto, os escritórios de advocacia também podem estar encontrando uma maneira de alavancar a demanda por processos contratuais automatizados a seu favor.

Ao longo dos anos, os departamentos jurídicos corporativos se acostumaram a ver seus advogados externos usarem dados e algoritmos como forma de ajudar a criar estratégias de fluxo de trabalho mais eficientes. Mas algumas empresas começaram a aproveitar os dados de maneiras mais inovadoras, voltadas para ajudar os clientes a não apenas economizar custos, mas prever melhor as despesas futuras.

Assim como poucas pessoas poderiam ter previsto como a pandemia mudaria as atitudes em relação à tecnologia jurídica, é difícil imaginar a direção da análise preditiva avançando.

Apesar de alguns avanços encorajadores, o setor jurídico ainda está muito atrás de muitos outros serviços profissionais quando se trata de sofisticação digital. Enquanto lida com SEO básico, marketing de conteúdo e engajamento nas mídias sociais, os demais setores estão aproveitando o potencial de novas oportunidades, como a pesquisa por voz on-line. 

É muito fácil se distrair com o crescente entusiasmo por soluções de marketing digital, mas as empresas devem garantir que tenham bases sólidas antes de comprometer recursos em campanhas que possam não as beneficiarem ou que forneçam apenas uma correção de curto prazo.

(*) Marcelo Carreira é diretor de marketing da Access.

Homework Homework
Publicidade
Publicidade