3 eventos ao vivo

MP investiga empresa de publicidade por monitoramento ilegal

In Loco Media usa base de dados de localização gerados por aplicativos de terceiros; 60 milhões de brasileiros podem ter sido afetados

14 set 2018
12h53
atualizado às 16h42
  • separator
  • comentários

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um inquérito civil público pra verificar se a empresa de publicidade online, In Loco Media, está monitorando de forma ilegal milhões de brasileiros. Segundo o MPDFT, a suspeita é que a empresa armazene a localização de 20% da base de smartphones no Brasil, coletada por meio de aplicativos de parceiros terceirizados.

A investigação foi instaurada na última terça-feira, 11, mas só foi divulgada na última quinta-feira, 13. No documento, assinado pelo promotor de Justiça e chefe da Comissão de Proteção de Dados Pessoais do MP, Frederico Meinberg Ceroy, diz que reportagens publicadas na imprensa nacional indicam a possibilidade da In Loco coletar e usar ilegalmente as informações pessoais.

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um inquérito civil público pra verificar se a empresa de publicidade online, In Loco Media, está monitorando de forma ilegal milhões de brasileiros
Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um inquérito civil público pra verificar se a empresa de publicidade online, In Loco Media, está monitorando de forma ilegal milhões de brasileiros
Foto: Kacper Pempel / Reuters

Entre as suspeitas levantadas está a de que a companhia use dados de localização dos usuários gerados por cerca de 500 aplicativos como Buscapé, PSafe e Turma da Galinha Pintadinha. Isso garantiria à empresa o rastreamento de aproximadamente 60 milhões de smartphones no Brasil - 20% do total da base brasileira, segundo da Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP),

No documento, Ceroy pede que a empresa dê explicações sobre como coleta os dados, quem são os aplicativos parceiros, como essas informações são comercializadas e quem são seus clientes. A In Loco Media terá dez dias úteis para responder as questões.

Em nota, a empresa diz que soube da investigação na última quinta-feira, por meio de reportagens publicadas na imprensa. E que se compromete em responder todos os questionamentos dentro do prazo.

Ainda na nota, a In Loco diz que tem compromisso com a legalidade de suas operações e com a privacidade do usuário e "que jamais acessamos dados de identificação pessoal" dos usuários dos smartphones de sua base e que possui cerca de 300 aplicativos parceiros, ao invés dos 500 questionados.

"A nossa empresa e produtos são lícitos, idôneos e estão de acordo com a legislação brasileira e com o Marco Civil da Internet", diz.

Veja também:

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade