1 evento ao vivo

Muçulmanos da Indonésia acusam Facebook de discriminação

Manifestantes marcharam de uma mesquita até o escritório do Facebook em Jacarta

12 jan 2018
13h35
atualizado às 13h53
  • separator
  • comentários

Várias centenas de muçulmanos indonésios protestaram nesta sexta-feira do lado de fora dos escritórios do Facebook em Jacarta, acusando a rede social gigante de discriminação por bloquear algumas páginas operadas por grupos linha-dura por supostamente disseminarem o ódio.

A manifestação desta sexta-feira foi pacífica, embora mais de 1.200 policiais tenham sido destacados para proteger os escritórios do Facebook, de acordo com a mídia.
A manifestação desta sexta-feira foi pacífica, embora mais de 1.200 policiais tenham sido destacados para proteger os escritórios do Facebook, de acordo com a mídia.
Foto: Reuters

Os manifestantes, muitos vestidos de branco e incluindo membros do grupo linha-dura Frente Defensores Islâmicos (FPI, em inglês), marcharam de uma mesquita até o escritório do Facebook na capital do maior país de maioria muçulmana do mundo.

"Queremos lembrar o Facebook que permaneça neutro e equilibrado", disse Slamet Maarif, porta-voz da FPI, a repórteres.

"Há muitas contas que disseminam o ódio sobre o Islã, que são autorizadas a operar. Há contas que falam sobre ajuda humanitária islâmica, essas estão bloqueadas", afirmou, acrescentando que o grupo ainda planeja usar o Facebook e abrir novas contas.

O Facebook informou que sua política é apagar conteúdo que viole padrões da comunidade.

"Nossos padrões da comunidade são feitos para impedir organizações ou indivíduos de propaguarem discurso de ódio ou violência contra aqueles que têm visões diferentes", afirmou representante da companhia, que pediu para não ser identificado.

O porta-voz do Ministério de Comunicações da Indonésia, Semuel Pangerapan, disse: "Nunca pedimos que as contas da FPI fossem fechadas."

Alguns grupos islâmicos na Indonésia usam mídias sociais extensivamente e a FPI normalmente tem cerca de 100 contas no Facebook, bem como em outras plataformas como o Twitter.

A manifestação desta sexta-feira foi pacífica, embora mais de 1.200 policiais tenham sido destacados para proteger os escritórios do Facebook, de acordo com a mídia.

Os indonésios são vividos usuários de redes sociais e o Facebook tinha 115 milhões de usuários no segundo trimestre de 2017, informou a mídia local citando o gerente da rede no país. A Indonésia ocupa a quarta posição no ranking global de usuários da plataforma, atrás dos Estados Unidos, Índia e Brasil.

Veja também:

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade