2 eventos ao vivo

Maior dono de dogecoin acumula 28% da moeda e vira bilionário

Uma única carteira digital possui 28% de todas dogecoins (DOGE) em circulação; montante vale US$ 1,9 bilhão atualmente

18 fev 2021
16h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Um único investidor de dogecoin (DOGE) acumula 28% de todas as moedas em circulação do mercado. Seu patrimônio na criptomoeda soma atualmente US$ 1,9 bilhão após as intensas valorizações do ativo durante o final de janeiro deste ano. Todo o montante está concentrado em uma única carteira digital, mas não se sabe a quem ela pertence.

Dogecoin
Dogecoin
Foto: FXTM Thailand/Flickr / Tecnoblog

Esse endereço possui 36,8 bilhões de dogecoins, representando 28% de todas DOGE em circulação atualmente, conforme apontam os dados do blockchain da criptomoeda providenciados pela plataforma BitInfoCharts. Essa quantia chegou a valer US$ 2,95 bilhões quando a moeda digital estava em seu máximo histórico no dia 08 de fevereiro. Porém, o ativo opera em queda desde então.

Investidor se tornou bilionário após WallStreetBets

O investidor misterioso se tornou bilionário após as ações coordenadas no Reddit pelo grupo WallStreetBets. No final do mês passado, o movimento organizou compras em massa de dogecoin e de ações da GameStop.

Na época, a criptomoeda baseada no meme de um cachorro Shiba Inu se valorizou mais de 1.500% do dia 27 a 29 de janeiro. Assim, o montante de aproximadamente 30 bilhões de DOGE na carteira digital pulou de US$ 247 milhões de valor para mais de US$ 1,6 bilhões. Desde então, o endereço registrou inúmeras compras que somam mais 6 bilhões de dogecoin ao longo deste mês de fevereiro.

Histórico do endereço - DH5yaieqoZN36fDVciNyRueRGvGLR3mr7L - dono de 36 bilhões de DOGE
Histórico do endereço - DH5yaieqoZN36fDVciNyRueRGvGLR3mr7L - dono de 36 bilhões de DOGE
Foto: Reprodução/BitInfoCharts / Tecnoblog

Endereço começou a comprar DOGE em 2019

Os registros indicam que o investidor comprou a criptomoeda pela primeira vez no dia 2 de fevereiro de 2019. A primeira aquisição foi de apenas 100 DOGE, que valia individualmente míseros US$ 0,0018 na época. No mesmo mês, porém, o endereço recebeu 9 bilhões de unidades da criptomoeda através de múltiplas transações. Mesmo a moeda digital valendo pouco, o montante já equivalia a mais de US$ 18 milhões.

Então, até o final do ano de 2019 a carteira digital acumulava mais de 11 bilhões de DOGE. No ano seguinte, as movimentações se intensificaram e no final de 2020 o endereço tinha o balanço de quase 23 bilhões da criptomoeda. Esse montante aumentou rapidamente neste ano. Desde o início de janeiro e antes das ações coordenadas do WallStreetBets, o investidor adquiriu mais 7 bilhões do ativo digital.

A quem poderia pertencer a carteira bilionária?

Tecnicamente, é impossível identificar o titular da carteira digital detentora de bilhões em dogecoin pelo grau de anonimato que há. O que se sabe é o endereço da carteira, enquanto o sistema blockchain permite a livre checagem de todas suas transações. Porém, algumas hipóteses já foram levantadas.

O The Wall Street Journal apontou em uma reportagem que o endereço poderia pertencer a uma bolsa na qual o dogecoin é negociado. Essa hipótese é possível, mas improvável pelo balanço de entrada e saída de DOGE nele. Desde sua criação, a carteira digital recebeu um total de 43,8 bilhões de unidades da moeda digital, enquanto apenas 7 bilhões saíram.

O comportamento do endereço de blockchain combina mais com um investidor, seja ela institucional ou do varejo, tendo em vista que ele se aproveita de oportunidades para comprar o dogecoin. Além disso, nenhuma moeda digital saiu da carteira desde 21 de dezembro de 2020.

Contudo, é interessante observar que ao longo de janeiro de 2021, até um dia antes das ações coordenadas do WallStreetBets que valorizaram o dogecoin em mais de 1.500%, o endereço recebeu mais 7 bilhões de DOGE. Poderia ser uma coincidência, mas é razoável presumir que o misterioso investidor ao menos participou do grupo no Reddit para antecipar o recorde de preço do ativo.

Elon Musk?

A pessoa ou instituição dona da carteira digital deve no mínimo ter dezenas de milhões de dólares disponíveis para comprar dogecoin. Ainda em 2019, o endereço registrou a entrada de 8 bilhões de DOGE divididas em duas operações. No total, pela cotação da época, foram gastos mais de US$ 15 milhões.

É inevitável pensar em Elon Musk como o possível dono da carteira digital. A relação entre o dono da Tesla e a criptomoeda meme é muito próxima nos últimos tempos. O magnata jogou a moeda digital nos holofotes ao tuitar inúmeras vezes sobre ela. Em uma das ocasiões, ele fez a criptomoeda se valorizar em mais de 50% apenas com uma série de postagens.

Além disso, Musk teve um papel indireto na valorização recorde do dogecoin durante as ações do WallStreetBets, quando uma postagem sua foi interpretada como um suposto apoio à criptomoeda.

?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1354924057825837060%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Ftecnoblog.net%2F408790%2Felon-musk-diz-doge-no-twitter-e-preco-da-criptomoeda-dispara%2F

Mesmo ele já tendo dito em um painel no famoso aplicativo de áudio Clubhouse que seus tuítes sobre a criptomoeda não passariam de piadas, na semana passada o bilionário postou um posicionamento mais sério diante do dogecoin. Ele afirmou que há um problema real de concentração no mercado, provavelmente se referindo a essa carteira digital que detém 28% de todos DOGE. Além disso, ele incentivou donos do ativo a vendê-lo e disse até mesmo que pagaria para tal.

Porém, no final das contas é impossível identificar o dono da carteira digital, mas Musk não é um candidato tão provável. Ele só começou a falar sobre dogecoin em 2020, enquanto a carteira existe desde 2019 realizando compras milionárias. Além disso, não há nenhuma grande aquisição antes das publicações do magnata, o que seria lógico de se fazer uma vez que ele saberia que uma valorização repentina aconteceria após seus próprios posicionamentos.

Maior dono de dogecoin acumula 28% da moeda e vira bilionário

Veja também:

Por que o Facebook bloqueou conteúdos na Austrália?
Tecnoblog
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade