PUBLICIDADE

iPhone 13: veja tudo sobre o aparelho que deve ser lançado nesta terça

Bateria maior, câmera sofisticada e sensor de profundidade: Apple reserva novidade para seu principal dispositivo

13 set 2021 17h00
ver comentários
Publicidade
iPhone 13 deve melhorar recursos já vistos no iPhone 12 
iPhone 13 deve melhorar recursos já vistos no iPhone 12
Foto: Apple/Reprodução / Estadão

O iPhone 13 deve ser revelado nesta terça-feira, 14, em um evento anunciado pela Apple na semana retrasada - setembro é conhecido como o mês do lançamento dos novos smartphones da empresa californiana. Tradicionalmente, rumores e vazamentos sobre a produção dos aparelhos circulam meses antes graças a informações de analistas do mercado - e 2021 não é exceção.

As primeiras informações dão conta de que o celular não deve trazer grandes diferenças em relação ao iPhone 12, que apresentou novidades significativas. No ano passado, por exemplo, o celular ganhou a possibilidade de conexão 5G, um design inspirado no iPhone 4 (com laterais mais achatadas) e quatro novos tamanhos: o iPhone 12 mini, iPhone 12, iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max - o que também deve acontecer neste ano.

Porém, alguns recursos podem surgir para atualizar o modelo de 2020. Veja o que esperar do iPhone 13:

Câmeras aprimoradas

A câmera é o principal diferencial do iPhone, então não é uma surpresa que a Apple tente sempre aprimorar as lentes do aparelho todo ano.

No iPhone 13, os rumores sugerem que as câmeras de todos os modelos devem receber o sensor espacial LiDAR (atualmente presente somente no iPhone 12 Max), utilizado principalmente em realidade aumentada e na detecção de profundidade no ambiente. Também se fala que a nova lente ultra-angular irá ter maior qualidade de imagem em ambientes com pouca luminosidade, o que é sempre bem-vindo para fotos noturnas.

Aliás, as duas lentes traseiras do iPhone 13 devem ser posicionadas na diagonal, de acordo com vazamentos de modelos de testes de fabricantes, possibilitando que todos os smartphones recebam o novo sensor LiDAR. Espera-se que a configuração apareça no que pode ser o iPhone 13 e iPhone 13 Mini.

Já o conjunto de câmeras do iPhone 13 Pro Max deve ocupar um maior espaço na parte traseira do dispositivo, também segundo vazamentos. No aparelho para "profissionais", haverá recursos para vídeos em Modo Retrato (hoje disponível somente para fotos) e um novo formato de arquivo direcionado a editores de imagem, batizado internamente de ProRes. A espessura da lente também pode vir maior neste ano.

Baterias

Calcanhar de Aquiles do iPhone, a Apple pretende expandir o tamanho das baterias do próximo smartphone da empresa, para garantir maior independência de energia fora da tomada.

O feito se dará devido a algumas economias de espaço interno do aparelho, como integração da entrada para chips à placa-mãe e a redução do entalhe da tela. Com isso, as baterias maiores poderão ser inseridas. Isso pode significar um aparelho um pouco mais pesado e um pouco mais espesso do que sua versão anterior.

Além disso, se a Apple adotar o novo chip A15, como tem sido feito todo ano com novos processadores, a melhora na eficiência energética do semicondutor pode resultar em maior desempenho, portanto consumindo menos bateria.

O site DigiTimes afirma que, com essas novidades, o consumo de energia deve sofrer redução de 15% a 20%, graças ao novo processador e às maiores baterias.

A Apple pode lançar também um carregador de tomada de 25W, que permitiria carregar o aparelho de forma mais rápida ao conectar na tomada. Atualmente, os carregadores vendidos (separadamente) são de 20W.

Tela 'gamer'

A taxa de atualização da tela do iPhone 13 deve ser de 120 Hz, própria para games por trazer uma navegação mais fluida e confortável aos olhos — atualmente, apenas o iPad Pro possui essa tecnologia, chamada de "tela ProMotion". Outros celulares do mercado, como Samsung e Motorola, já trazem esse tipo de solução há alguns anos.

Não se sabe se todos os modelos deste ano receberão a taxa de atualização de 120 Hz, mas acredita-se que são dois os candidatos para ganhar o recurso: a versão Pro e Pro Max.

Tela Sempre Ligada

Similar ao Apple Watch Series 6 (apresentado em 2020), o iPhone 13 pode receber uma Tela Sempre Ligada, de acordo com a agência de notícias da Bloomberg. O recurso permitiria que o smartphone permanecesse em descanso, mas com as horas e algumas notificações acesas o tempo inteiro, como um relógio. Este é um dos recursos que pode surgir com o aumento da bateria no celular.

Entalhe menor

Mesmo com tamanho idêntico aos modelos anteriores, o iPhone 13 deve trazer um entalhe menor na tela — isto é, aquele espaço que abriga a câmera de selfie e o leitor de reconhecimento facial (o Face ID). Segundo analistas, a façanha seria feita graças à unificação dos sensores, que ocuparia menos espaço.

O entalhe, apresentado no iPhone X, em 2017, incomodou diversos usuários por ser "invasivo" na tela infinita do smartphone, enquanto outras fabricantes adotaram soluções mais discretas, como um único círculo ou mesmo sensores sob a tela.

Armazenamento de 1 TB

O analista Ming-Chi Kuo, conhecido por antecipar diversas novidades de Apple, afirmou no domingo que todos os iPhones terão 128 GB como armazenamento mínimo de memória, abandonando os 64 GB vistos no iPhone 12 mini e iPhone 12. Além disso, os modelos Pro e Pro Max do futuro iPhone 13 poderão ter até 1 TB de memória, quase dobrando a capacidade máxima atual, de 512 GB.

iPhone 14 já entra na mira

A Apple estuda lançar algumas novidades em futuros modelos que podem vir de 2022 em diante. Entre elas, estão reinserir o leitor biométrico (Touch ID, apresentado no iPhone 5S, em 2013, e abandonado em 2017 pelo Face ID) - mas desta vez sob a tela, como adotaram algumas fabricantes chinesas, como Xiaomi e Realme.

Outro rumor é que a Apple pode colocar câmeras frontais sob a tela, como já faz a Samsung com o Galaxy Z Fold 3, apresentado em agosto pela sul-coreana. O entalhe na tela deve desaparecer na versão do aparelho do ano que vem dando lugar apenas a uma pequena "marca".

Aliás, a rival americana também estuda lançar um smartphone dobrável, mas o analista Ming-Chi Kuo diz que o aparelho deve vir somente em 2023, no mínimo.

No futuro, o iPhone pode não ter entradas. Ou seja, depois de perder a entrada para fone de ouvido em 2017, é possível que a Apple corte a entrada Lightning, utilizada hoje para carregar na tomada. O resultado disso seria um celular monolítico sem portas para cabos, sendo conectado apenas com fones de ouvido Bluetooth e carregamento sem fio.

Estadão
Publicidade
Publicidade