1 evento ao vivo

Startups levam inovação para o mercado funerário

Empresas buscam criar processos alternativos para enterro e cremação, considerados pouco sustentáveis; no Brasil, ainda há poucas iniciativas nesse sentido

30 jun 2019
05h11
atualizado em 1/7/2019 às 16h14
  • separator
  • comentários

Há quem diga que a disrupção digital vai chegar a todos os lugares. Se setores como finanças, advocacia ou publicidade já têm soluções tecnológicas avançadas, outros, mesmo que inusitados, ainda engatinham na inovação - mas trazem grandes oportunidades. É o caso, por exemplo, do mercado funerário: ocupado tradicionalmente por empresas pequenas ou familiares, ele é avaliado em US$ 20 bilhões só nos Estados Unidos. Mas já há startups de olho nele, em ideias que vão de testamento online e comparação de preços de funerárias até novos processos para substituir enterros e cremações, considerados pouco sustentáveis.

É o caso da startup americana Recompose, que criou um sistema para acelerar a transformação de um cadáver em um pequeno pedaço de solo, a partir do processo da compostagem. Durante um mês, o corpo é posto em contato com uma mistura química em um reservatório, a cerca de 50ºC. No fim do processo, o material é devolvido à família para os parentes plantarem uma árvore ou colocarem a terra em um jardim. Essa ideia fez com que a Recompose levantasse mais de US$ 7 milhões em investimento, desde 2018.

"As pessoas querem novas opções e estamos ajudando os humanos a retornarem para seu ciclo natural", disse a arquiteta Katrina Spade, presidente executiva da empresa. Para ela, a compostagem pode ajudar a reduzir emissões de carbono das cremações e ajudar cidades a aproveitar melhor espaços hoje ocupados por cemitérios.

Por enquanto, o trabalho da startup não está em prática - no mês passado, o Estado de Washington se tornou o primeiro estado americano a permitir a compostagem de corpos. O plano da empresa é começar a operar em dezembro do ano que vem, incluindo uma sede para receber as famílias, com direito a espaços iluminados e design moderno. "Não somos só um aplicativo que você aperta um botão e o corpo vira solo. Precisamos ter contato com as pessoas", disse Katrina.

Quem tem uma ideia parecida é a startup americana Coeio, fundada em 2015, que desenvolveu uma veste especial, com cogumelos e microorganismos, para facilitar a decomposição dos corpos - a roupa custa US$ 1,5 mil e tem casaco, calça e capuz especiais.

No Brasil, mercado ainda é incipiente

Por aqui, as startups que estão no setor têm conceitos mais modestos. Para Gisela Adissi, presidente do Sindicato e Associação dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep/Acembra), o País está atrás dos EUA, mas já há sinais de mudança no setor. "Todo mundo está confortável fazendo seu trabalho, mas já vejo a indústria abrindo seus olhos", afirma.

Um dos casos mais interessantes é o da WebLuto, um marketplace do mercado funerário - empresas usam a plataforma para anunciar serviços como sepulturas, atendimentos e cremações. A partir do banco de dados, usuários podem comparar produtos e pedir orçamentos. "Somos uma mistura de Uber e Hotel Urbano, só que com destino à eternidade", afirma Siderlei Gonçalves, fundador da empresa.

Fundada em 2018, a WebLuto por enquanto tem apenas 50 funerárias ativas em sua plataforma. "Nossa meta, a longo prazo, é ter ao menos uma funerária e um cemitério online em cada município do Brasil", diz Gonçalves. Para usarem a plataforma, funerárias pagam uma assinatura mensal de R$ 99; já os cemitérios, R$ 199. Com 20 anos de experiência no setor funerário, o executivo reconhece que o mercado é difícil de ser desbravado, por ser pouco popular e tradicional.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade