PUBLICIDADE

Startup Driven recebe aporte de R$ 16 mi para formar futuros líderes da tecnologia

Edtech quer formar profissionais que consigam não apenas programar, mas resolver problemas, trabalhar em equipe e, no futuro, ser gestores

26 ago 2021 19h00
ver comentários
Publicidade

Mirando diminuir não só a escassez de profissionais de tecnologia do Brasil, mas também fomentar a formação de líderes para comandar equipes de desenvolvedores, a startup de educação Driven anunciou na terça-feira, 24, que recebeu um aporte de R$ 16 milhões, liderado pelo fundo paulistano Iporanga.

O cheque também contou com a participação dos fundos ONEVC, FundersClub e 3G Radar. Ainda, investidores-anjo conhecidos do ecossistema de inovação do País marcaram presença, como Patrick Sigrist (do iFood), Sergio Furio (da Creditas) e Brian Requarth (da VivaReal). Eles se juntaram aos sócios atuais Arpex Capital (Stone), Daniel Castanho (Ânima) e Pedro Thompson (Exame).

Fundada há 8 meses, a Driven vai usar o cheque para investir na escola digital da startup, que tem como objetivo formar, ao final de 9 meses, profissionais que consigam não apenas programar, mas resolver problemas, trabalhar em equipe e, no futuro, ser gestores. A ideia é transformar o programador júnior em sênior, com a chance de se tornar um diretor de equipe.

Atualmente, são 140 alunos matriculados após um processo seletivo de 20 mil inscritos — o objetivo é chegar a 10 mil estudantes até 2025. A edtech aposta no "menos é mais": poucos passam no processo seletivo, mas os formados se tornam "desenvolvedores de elite", com talento para liderança após avaliações semanais.

"Em um candidato, olhamos para raciocínio lógico, resiliência e soft skills (habilidades comportamentais)", explica ao Estadão o presidente executivo Pedro Monteiro, que fundou a startup ao lado de Michel Nigri e Pedro Barros após fundarem a edtech Responde Aí. "Essas competências são importantes para resolver problemas, ter pessoas que são insistentes para buscar soluções e para encontrar profissionais comunicativos."

No processo seletivo, diversidade é um fator de desempate, favorecendo mulheres, minorias sexuais e pretos e pardos, explica Monteiro. "Fazemos isso por uma questão de dívida histórica, porque temos que ajudar a sociedade, e também porque essa pessoa tem alta chance de contratação, porque é justamente o que as empresas querem hoje em dia", diz.

O nível de seleção também tem um motivo, além da dificuldade em achar os futuros líderes: a Driven adotou modelo de negócio que, nos Estados Unidos, é chamado de Income Share Agreement (ISA): o estudante começa a pagar as mensalidades (de até R$ 2 mil mensais) somente quando estiver empregado.

Para o gestor Leonardo Teixeira, da Iporanga, esse é um dos diferenciais da startup: "Esse modelo de negócio pressupõe que o aluno seja empregado rapidamente e com salário alto. Para o mercado, isso é uma afirmação muito forte: se a startup participa desse risco, significa que ela tem confiança no próprio taco".

Na visão do professor de inovação Gilberto Sarfati, da Fundação Getúlio Vargas, o formato da Driven, junto com os fundos de investimento e os sócios envolvidos na startup, indicam que a companhia está no caminho certo.

"Qualquer negócio dedicado a desenvolvimento de programadores tem alto potencial. O buraco é imenso não só no Brasil, mas em escala global", afirma Sarfati. "E é uma boa ideia financiar os estudos do aluno, porque diminui o gargalo e pode bancar a mensalidade de quem pode não ter dinheiro suficiente para entrar nesse mercado."

Estadão
Publicidade
Publicidade