0

China reduz financiamento a veículos elétricos e preocupa

Fabricantes chineses de elétricos levantaram US$ 783,1 milhões em meados de junho, ante US$ 6 bilhões no ano passado

19 jun 2019
10h03
atualizado às 11h33
  • separator
  • comentários

No ano passado, Wei Qing e sua equipe de investimentos privados visitaram mais de 20 startups chinesas de fabricação de veículos elétricos.

O resultado? Eles decidiram não investir em nenhuma.

"Há muitas incertezas desde quando uma empresa conta uma história no estágio inicial, até quando produz um carro teste e levanta capital para a eventual produção em massa", disse Wei, diretor-gerente da Sailing Capital, de Xangai.

25/04/2018 China reduz financiamento a carro elétricos
REUTERS/Damir Sagolj
25/04/2018 China reduz financiamento a carro elétricos REUTERS/Damir Sagolj
Foto: Reuters

Wei, que se recusou a nomear os fabricantes que sua equipe visitou, disse

que acha que apenas alguns deles sobreviverão. A Sailing Capital decidiu investir em um fornecedor de peças para veículos elétricos, acrescentou.

Suas preocupações refletem o que os banqueiros descrevem como tempos de financiamento cada vez mais difíceis para os fabricantes chineses de veículos elétricos, que precisam brigar por atenção em um setor lotado e apresentar argumentos convincentes sobre sua rentabilidade futura, apesar dos cortes do governo nos subsídios e planos para, aos poucos, eliminá-los.

Este ano, os fabricantes chineses de elétricos levantaram apenas 783,1 milhões de dólares em meados de junho, ante 6 bilhões de dólares no mesmo período do ano anterior e 7,7 bilhões em todo o ano de 2018, segundo o provedor de dados PitchBook.

Ansiosa para conter a poluição e impulsionar sua própria indústria automobilística, a China disse que quer os chamados veículos de energias novas - que também incluem híbridos, híbridos plug-in e carros de célula de combustível - para responder por um quinto das vendas de automóveis em 2025 comparado com 5% agora.

Essas ambições geraram uma infinidade de startups de veículos elétricos competindo não apenas umas com as outras, mas também as montadoras globais e a Tesla, que planeja iniciar a produção na China este ano.

Cerca de 330 empresas de elétricos estão registradas para algum tipo de subsídio, mostram dados do governo, embora o número de startups mais bem estabelecidas seja muito menor, em torno de 50.

Mas em meio às críticas de que algumas empresas se tornaram excessivamente dependentes dos fundos do governo, Pequim reduziu os subsídios, elevou os padrões necessários para que os veículos se qualificassem e sinalizaram que os encerraram completamente depois de 2020.

Isso levou a uma desaceleração acentuada à medida que os preços dos veículos aumentam. As vendas de veículos de energias novas em maio subiram apenas 1,8% em relação ao ano anterior, em comparação com 18,1% em abril e 62% em 2018.

Sobrevivendo no atual ambiente de financiamento, exige muita disciplina de custos, disse o presidente-executivo, Daniel Kirchert, da fabricante Byton, de Nanjing, à Reuters.

"Dada a situação atual, não é suficiente para qualquer startup criar bons produtos e ser rápida no mercado. Pelo menos é igualmente importante gerenciar custos. Não apenas custos fixos, mas custos variáveis".

Veja também

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • comentários
publicidade