PUBLICIDADE

Gympass recebe aporte de US$ 220 mi liderado pelo SoftBank

Rodada de investimento fez a empresa chegar ao valor de mercado de US$ 2,2 bilhões

29 jun 2021 11h37
ver comentários
Publicidade

Os unicórnios brasileiros estão cada vez maiores - agora, foi a vez da startup brasileira Gympass crescer ainda mais seu valor bilionário. Conhecida por um serviço de assinatura de academias e atividades físicas, a empresa anunciou nesta terça-feira, 29, que recebeu um aporte de US$ 220 milhões. Com o cheque, a Gympass atingiu a avaliação de US$ 2,2 bilhões.

A rodada foi liderada pelo grupo japonês SoftBank, que já investia na empresa - participaram também outros fundos como General Atlantic, Moore Strategic Ventures, Kaszek e Valor Capital Group.

Fundada em 2012, a Gympass permite que empresas ofereçam acesso a academias de ginástica aos seus funcionários por meio de uma rede de mais de 50 mil academias e estúdios em todo o mundo. A startup também oferece por meio de sua plataforma serviços de terapia e orientação do sono - entre seus clientes, estão empresas como McDonald's, Accenture, KPMG e Santander. A Gympass atingiu a avaliação de US$ 1 bilhão em 2019.

Depois de sofrer um impacto no ano passado com o fechamento das academias, a Gympass tem registrado um crescimento de assinantes de dois dígitos mês a mês - com o impulso da vacinação ao redor do mundo, empresas têm buscado programas de bem-estar para locais de trabalho híbridos.

"Já vimos um aumento nas visitas a academias e estúdios conforme os países começam a se abrir e esperamos um impulso ainda maior conforme as pessoas voltam para o escritório", disse Cesar Carvalho, cofundador e presidente-executivo da Gympass, à agência de notícias Reuters.

Com os novos recursos, a Gympass pretende expandir sua operação nos Estados Unidos e entrar em novas categorias. A empresa aposta que as pessoas voltarão a se concentrar em seu bem-estar após a pandemia.

"Dormir melhor, comer melhor, fazer exercícios, ter certeza que sua saúde mental e emocional está no lugar certo, tudo isso vai fazer muito mais parte da nossa rotina", disse Carvalho.

Na visão de Shu Nyatta, do SoftBank, o crescimento da Gympass em um momento em que o ecossistema operacional tem sido tão difícil impressiona. "A Gympass é a solução de bem-estar para o modelo de trabalho híbrido que estamos vendo agora, oferecendo aos colaboradores opções dentro e fora do escritório", disse Nyatta, em nota.

Cheques gigantes

O ano tem sido de grandes cheques para os unicórnios brasileiros como um todo. No começo deste mês, o Nubank fechou o maior aporte da história das startups latino-americanas: a empresa levantou US$ 750 milhões, que se somaram a uma rodada realizada em janeiro, chegando ao total de US$ 1,15 bilhão. Outro unicórnio que mordeu um cheque gigante foi a Loft, que fechou uma rodada de US$ 525 milhões em abril.

A fintech Ebanx também recebeu um aporte de US$ 430 milhões neste mês, mirando aquisições na América Latina. Em maio, outro unicórnio brasileiro, o QuintoAndar, recebeu US$ 300 milhões de olho na disputa pelo mercado imobiliário e com o plano de levar sua operação para o México. Em fevereiro, foi a vez da startup de entregas Loggi levantar um investimento de US$ 212 milhões. /COM REUTERS

Estadão
Publicidade
Publicidade