0

Dona de hambúrguer vegetal, Fazenda Futuro é avaliada em US$ 100 mi

Startup recebeu rodada de aportes de US$ 8,5 milhões dos fundos Monashees e Go4it, do filho de Jorge Paulo Lemann; hoje, mais de 1,3 mil pontos de venda já oferecem produto da empresa

18 jul 2019
18h39
  • separator
  • 1
  • comentários

Pioneira no mercado dos hambúrgueres vegetais - feitos com alimentos como soja e beterraba, mas que imitam a consistência da carne bovina -, a startup brasileira Fazenda Futuro anunciou nesta quinta-feira, 18, que está avaliada em US$ 100 milhões. A avaliação surge após a empresa receber uma rodada de investimentos de US$ 8,5 milhões, liderada pelo fundo brasileiro Monashees, que já investiu em nomes como Loggi, 99 e Rappi. Participou da rodada também o fundo Go4it, liderado por Marc Lemann, filho de Jorge Paulo Lemann.

É uma evolução rápida para a empresa, fundada em abril por Alfredo Strechinsky e Marcos Leta - este último, responsável pela criação da marca de sucos Do Bem. Em maio, a empresa colocou no mercado a primeira versão do Futuro Burger, seu principal produto até aqui, em parceria com a rede paulistana Lanchonete da Cidade. Além disso, passou a vender seu produto em supermercados - uma bandeja com dois discos tem valor sugerido de R$ 20. De lá para cá, já está presente em mais de 100 restaurantes e cerca de 2 mil pontos de venda.

Com os recursos do aporte, a Fazenda Futuro pretende expandir sua rede de comercialização pelo País. Hoje, está concentrada no Sudeste e em algumas capitais de Sul e Nordeste. Para isso, fará contratações - pretende triplicar o número de funcionários até o final do ano, hoje em 30 pessoas. A maior parte das vagas será aberta na equipe comercial.

Além disso, a empresa pretende expandir sua estrutura fabril para baratear o preço do hambúrguer. "Em breve, vamos passar de 150 toneladas produzidas por mês e chegar a 550 toneladas mensais", diz Leta, ao Estado.

O investimento também ajudará a empresa a lançar novos produtos no mercado. Em até 60 dias, começará a fornecer carne moída e almôndega vegetais para a rede de comida rápida Spoleto, que a utilizará em pratos como macarrão à bolonhesa. Semanas depois, os produtos também estarão disponíveis nos pontos de venda.

Logo depois, em setembro, chegará às lojas e restaurantes parceiros o Futuro Burger 2.0, que continuará sendo feito com uma combinação de proteínas de soja, ervilha, grão de bico e beterraba. A diferença, segundo Leta, é que ele se aproximará mais da textura, do gosto e da cor da carne bovina. De acordo com o executivo, há muito pela frente - e por enquanto, a Fazenda Futuro não tem planos de internacionalização. "O Brasil é hoje o 2º maior consumidor de carne bovina per capita. Ainda há muito espaço para crescer por aqui", diz.

Estadão
  • separator
  • 1
  • comentários
publicidade