PUBLICIDADE

IA está reduzindo sobrecarga no sistema de saúde em cidades brasileiras

Plataforma de telemedicina usa chatbot para diagnosticar casos graves, moderados e leves da COVID-19; foram mais 24 mil pacientes atendidos

17 jun 2021 20h20
ver comentários
Publicidade

O Brasil vem enfrentando consecutivas ondas da COVID-19, que sobrecarregam o Sistema Único de Saúde  - responsável pela cobertura médica de 75% da população brasileira. Mas uma plataforma de telemedicina que usa IA, ou Inteligência Artificial, está ajudando o SUS a respirar ao detectar e diagnosticar casos moderados e leves da doença. O chatbot tem um nome humano: Laura. Foi criada pela startup de healthtech homônima com o objetivo de criar diagnósticos ágeis para infectados pelo novo coronavírus.

Chatbot de telemedicina ajudou o SUS em três cidades
Chatbot de telemedicina ajudou o SUS em três cidades
Foto: engin akyurt/ Flcikr / Tecnoblog

IA ajudou a diagnosticar 24 mil casos de COVID-19

O estudo foi conduzido por grupos de pesquisadores do Instituto Laura Fressatto (Curitiba), da PUCPR, e da Fundação Getúlio Vargas (FGV EASP) e publicado nesta quinta-feira (17) pela revista científica Frontiers In Digital Health. A plataforma de telemedicina e a Laura foram usadas em três cidades: Curitiba (PR), São Bernardo do Campo e Catanduva (SP).

Os pesquisadores observaram que, das 130 mil interações com o chatbot e mais de 24 mil pacientes que completaram a triagem virtual, quase metade (45%) tinham sintomas leves de COVID-19, e um terço (33%) foram classificados como casos médios. Apenas 14% dos pacientes estavam em estado grave da doença.

Através da triagem virtual, o SUS agiu de forma mais coordenada e eficiente, segundo os pesquisadores. Os dados que comprovam essa agilidade foram coletados nas cidades entre julho e outubro de 2020.

Foto: Henrique Pochmann/Tecnoblog / Tecnoblog

Tecnologia pode universalizar acesso à Saúde

O nome por extenso do chatbot é Laura Care. Essa IA foi desenvolvida em abril de 2020, especialmente para combater os efeitos da pandemia de COVID nos hospitais brasileiros; e foi programada usando a tecnologia de Processamento em Linguagem Natural (NLP) via fonte aberta da Rasa, que oferece APIs com esse propósito.

A Laura foi integrada aos sistemas dos municípios que participaram do estudo; redes sociais como o WhatsApp e o Facebook criaram extensões para o uso do chatbot. Se um sintoma fosse detectado, o usuário era direcionado a uma página da web dedicada à triagem - um formulário com termos era oferecido ao usuário.

"O uso de inteligência artificial permitiu capacitar os atendimentos de telessaúde a ajudar a resolver esse gargalo, aumentando o acesso coordenado dos pacientes ao sistema de saúde, priorizando a recomendação de buscar um hospital apenas nos casos mais graves", disse Adriano Massuda, pesquisador da FGV EAESP e um dos autores do estudo, à Agência Bori.

Os autores do estudo concluem que o combo de telemedicina com uso de IA pode levar à universalização do acesso à Saúde no Brasil. Com base nos resultados da pesquisa, os acadêmicos recomendam o investimento em uma política nacional de transformação na área -- e a criação de chatbots médicos à nível municipal.

Com informações: Agência Bori e Frontiers in Digital Health

IA está reduzindo sobrecarga no sistema de saúde em cidades brasileiras

Tecnoblog
Publicidade
Publicidade