PUBLICIDADE

Google enfrenta novo processo por coletar dados em navegação anônima

Mesmo em guias anônimas, Google coleta dados de localização dos usuários sem eles saberem, afirma procurador-geral do Texas em nova ação contra a Alphabet

20 mai 2022 15h19
ver comentários
Publicidade

Sem o usuário saber, o mecanismo busca do Google coleta seus dados mesmo quando se usa o modo de navegação anônima no Chrome. As ausações vieram do procurador-geral do estado do Texas, Ken Paxton. Na última quinta-feira (19), ele entrou com uma ação contra a Alphabet, controladora do Google, afirmando que se trata de uma prática enganosa de rastreamento de localização e que fere a privacidade das pessoas.

Guia anônima no Google Chrome
Guia anônima no Google Chrome
Foto: Reprodução / Tecnoblog

Outros processos separados também foram movidos contra a companhia nos estados de Washington, Columbia e Indiana em janeiro de 2022. As acusações protocoladas nos tribunais estaduais americanos caracterizam as práticas do Google como "enganosas". Agora, Paxton acrescentou o modo de navegação anônima à ação aberta no início do ano.

Google teria "enganado" usuários sobre coleta de dados

Segundo o procurador-geral do Texas, a função anônima do Chrome implica que o Google não rastreará o histórico de pesquisa ou a atividade de localização do usuário. No entanto, a coleta de dados realizada pela empresa é totalmente desconhecida pelas pessoas que usam a ferramenta de busca.

O texto do processo afirma que a opção de "navegação anônima" pode incluir a "visualização de sites altamente pessoais, que podem indicar, por exemplo, seu histórico médico, persuasão política ou orientação sexual". Paxton acrescenta ainda que o usuário possa simplesmente querer "comprar um presente surpresa sem que o destinatário seja avisado por uma enxurrada de anúncios direcionados."

Porém, o procurador-geral diz que, na realidade, o Google "coleta enganosamente uma série de dados pessoais", mesmo quando o usuário aciona o modo de navegação anônima. A empresa se defendeu ontem, afirmando que o processo é "baseado em declarações imprecisas e afirmações desatualizadas" sobre as configurações de busca.

"Sempre incluímos recursos de privacidade em nossos produtos e fornecemos controles robustos para dados de localização… Discutimos fortemente essas alegações e nos defenderemos vigorosamente para esclarecer as coisas."

Defesa do Google em declaração contra as acusações

Paxton discorda. Anteriormente, ele também disse que o Google engana os consumidores ao continuar rastreando sua localização, mesmo quando se tenta impedir isso através das configurações de busca e do navegador.

Busca do Google
Busca do Google
Foto: Reprodução / Tecnoblog

O Google informa os usuários que, ao desativar a opção "Histórico de localização" nas configurações de seus serviços, a empresa não iria mais armazenar os lugares visitados.

Acusações começaram em 2021

O caso envolvendo a coleta de dados na navegação anônima começou ainda em junho de 2021. Na época, a empresa foi acusada por três pessoas que alegaram que o Google Chrome coletava dados de usuários mesmo usando o modo incógnito. Tudo isso resultou em um processo que pede que a Alphabet pague ao menos US$ 5 bilhões.

Em janeiro, um juiz do Arizona disse que a acusação contra o Google é embasada por informações "pouco claras" sobre as configurações de rastreamento de localização em smartphones. Ele decidiu então que o caso deveria ser avaliado por um júri e se recusou a arquivar a ação movida pelo procurador-geral do Texas.

O processo contra o Google ainda deve ir longe.

Com informações: Reuters

Google enfrenta novo processo por coletar dados em navegação anônima

Tecnoblog
Publicidade
Publicidade