3 eventos ao vivo

Golpes com Pix: Febraban lista quatro tipos e ensina como evitá-los

Em campanha de segurança, Febraban chama atenção para golpes via WhatsApp e engenharia social relacionados ao Pix

24 fev 2021
16h38
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em vigor desde novembro de 2020, o Pix vem sendo incorporado aos poucos à rotina de um número crescente de brasileiros. O problema é que a adesão progressiva à modalidade é acompanhada de tentativas de fraudes. Como medida de prevenção, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) está divulgando os quatro golpes mais comuns relacionados ao Pix.

Pix em aplicativo de banco
Pix em aplicativo de banco
Foto: Emerson Alecrim/Tecnoblog / Tecnoblog

A divulgação faz parte da primeira edição de 2021 da chamada Semana da Segurança Digital, campanha que visa, essencialmente, instruir a população a se prevenir contra fraudes que envolvem meios eletrônicos.

Note que todos os golpes listados pela Febraban são baseados em engenharia social, ou seja, exploram táticas que tentam convencer o cidadão a realizar determinada ação sem que ele perceba que está caindo em uma "cilada".

Clonagem do WhatsApp

Essa é, provavelmente, a tentativa de golpe mais difundida. Criminosos entram em contato com a vítima usando argumentos que tentam convencê-la a informar o código de segurança do serviço, enviado por SMS.

Eles podem dizer, por exemplo, que o procedimento faz parte de uma atualização de segurança do aplicativo ou de uma confirmação cadastral. Os argumentos variam bastante, mas todos têm o mesmo objetivo: fazer o usuário informar o tal código de segurança.

Se a pessoa não perceber que está sendo enganada e informar o código, poderá ter a sua conta no WhatsApp clonada. A partir daí, os criminosos podem enviar mensagens aos contatos da vítima pedindo empréstimo de dinheiro via Pix por conta de uma emergência, por exemplo.

Ativar a autenticação em duas etapas do WhatsApp é uma medida eficiente para impedir a clonagem da conta.

Falsa conta do WhatsApp

Esse tipo de golpe é um pouco menos sofisticado, mas também é perigoso. Os criminosos colhem dados da vítima, incluindo fotos, criam uma conta falsa em nome dela no WhatsApp e descobrem os números de telefone de amigos ou familiares da pessoa.

Na etapa seguinte, os criminosos contatam essas pessoas se passando pela vítima e dizendo que ela teve que mudar de número de celular. O que vem na sequência? Pedidos de dinheiro via Pix.

"O cliente sempre deve suspeitar quando recebe uma mensagem de algum contato que solicita dinheiro de forma urgente. Não faça o Pix ou qualquer tipo de transferência até falar com a pessoa que está solicitando o dinheiro", orienta a Febraban.

WhatsApp
WhatsApp
Foto: Tatiana Vieira/Tecnoblog / Tecnoblog

Falso funcionário do banco

Nessa modalidade, o golpista entra em contato com a vítima se passando por um funcionário de um banco ou de outro tipo de instituição financeira. Para convencer a pessoa, o golpista pode ser apoiado até por uma central telefônica falsa que reproduz gravações que remetem aos serviços da empresa.

O falso funcionário entra em contato oferecendo ajuda para o cliente cadastrar uma chave no Pix, fazer um teste no sistema ou regularizar seu cadastro, por exemplo. Em qualquer uma dessas ações, a pessoa é induzida a fazer uma transferência bancária em algum momento.

A Febraban explica que funcionários de bancos não ligam para clientes para fazer testes com o Pix e orienta o cliente a, na dúvida, interromper o contato e procurar o seu banco para esclarecimentos.

Bug do Pix

Esse tipo de golpe pode se disseminar tanto por serviços de mensagens instantâneas quanto por redes sociais. Basicamente, a pessoa recebe uma mensagem que diz que, devido a um bug no sistema do Pix, ela poderá obter o dobro de dinheiro ao fazer uma transferência usando determinadas chaves.

É óbvio que ela não receberá nenhum valor. Com essa ação, ela só estará transferindo dinheiro para um golpista.

Pix
Pix
Foto: divulgação/Banco Central / Tecnoblog

Outros cuidados

A Febraban ressalta ainda que, ao utilizar o Pix, o cliente precisa seguir os mesmos cuidados indicados para qualquer outro tipo de transferência, como checar os dados do recebedor.

Também é importante cadastrar chaves apenas nos canais oficiais da instituição financeira, como aplicativo ou agências, e desconfiar de contatos ou ofertas de ajuda não solicitadas sobre isso. Adriano Volpini, diretor da Comissão Executiva de Prevenção a Fraudes da Febraban, complementa:

O consumidor não deve clicar em links recebidos por e-mails, pelo WhatsApp, redes sociais e por mensagens de SMS, que direcionam o usuário a um suposto cadastro da chave do Pix.

Adriano Volpini

Golpes com Pix: Febraban lista quatro tipos e ensina como evitá-los

Veja também:

LG abandona mercado de smartphones
Tecnoblog
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade