2 eventos ao vivo

Golpe no WhatsApp usa falso 'abono de Natal' para fraudes

Na onda dos golpes que utilizam o auxílio emergencial, nova fraude rouba dados e contrata planos de telefonia celular em nome das vítimas

30 out 2020
05h10
atualizado às 07h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Com o final do ano se aproximando, um novo golpe está sendo utilizado por cibercriminosos no WhatsApp. Desta vez, relacionado a um falso abono emergencial de natal, que seria pago pelo Governo Federal no valor de R$ 800, identificou a empresa de cibersegurança Kaspersky. Com a fraude, os criminosos assinam serviços de telefonia que são cobrados das vítimas.

15/09/2017
REUTERS/Dado Ruvic
15/09/2017 REUTERS/Dado Ruvic
Foto: Reuters

No novo golpe, criminosos estão espalhando links falsos para a efetuação de um cadastro, que garante o direito para receber um auxílio extra de natal, motivado pela pandemia de coronavírus. A fraude afirma que todas as pessoas que receberam o benefício do auxílio emergencial estariam também aptos para receber a quantia de R$ 800, mas a informação é falsa.

Nos links falsos, divulgados principalmente no WhatsApp, os sites possuem identidade visual parecida com a do Governo Federal e solicitam o preenchimento de um formulário com dados pessoais, como RG e CPF. Para confirmar o cadastro, os golpistas pedem que as vítimas compartilhem a inscrição no Facebook e confirmem as informações por SMS.

"Ao realizar a suposta confirmação, o usuário estará contratando um serviço pago de telefonia móvel sem saber. A cobrança será feita em sua próxima fatura, e muitos acabam pagando sem nem mesmo perceber. Isso acontece porque os fraudadores estão criando cadastros em plataformas de serviços de valor agregado de operadores e, assim, utilizando a estrutura de cobrança dessas empresas para obter ganhos financeiros", explica analista de segurança sênior da Kaspersky.

Segundo Assolini, essa é uma das práticas mais utilizadas pelos cibercriminosos: a distorção de notícias em fake news, para confundir e ganhar veracidade entre as vítimas, pela veiculação de um assunto recorrente no momento.

"Os cibercriminosos adaptam seus golpes diariamente e mandam mensagens bastante convincentes. Eles se aproveitam principalmente da ansiedade de usuários que não verificam se aquilo é verdadeiro e acabam agindo por impulso. Como é um ataque relativamente 'barato' para o golpista e ele pode ser disseminado para milhões simultaneamente, mesmo que uma parcela muito pequena caia, ainda sim se torna lucrativo", explica.

A recomendação é de sempre desconfiar de links enviados via WhatsApp. Observar o endereço do site — aquele que aparece na barra do navegador, na parte de cima — também é uma forma de identificar potenciais páginas falsas da internet.

Não fornecer dados para sites que possam parecer inseguros também é essencial para prevenir um golpe pela internet. Além disso, a Kaspersky orienta a sempre checar em outros meios notícias a respeito do coronavírus recebidas pelo aplicativo.

 

Veja também:

Como a Tesla fez de Musk a 2ª pessoa mais rica do mundo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade