3 eventos ao vivo

Futurecom 2018: realidade virtual ainda tem entraves para ser popular

Tecnologia já está no mercado, mas tem como desafios o conforto dos usuários, a disponibilidade de infraestrutura e a oferta de conteúdos, dizem especialistas durante debate

17 out 2018
05h11
  • separator
  • comentários

Nos últimos anos, os óculos de realidade virtual chegaram ao mercado com a promessa de levar os usuários para mundos completamente diferentes. No entanto, apesar de ser conhecida dos consumidores, a tecnologia está longe de ser popular: em debate realizado nesta terça-feira, 16, na Futurecom, maior feira de telecomunicações da América Latina, executivos e especialistas levantaram hipóteses para essa distância - entre elas, a "estranheza" dos equipamentos e as muitas dúvidas sobre a aplicabilidade da tecnologia para além do entretenimento.

No debate, o professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Marcelo Zuffo, pontuou que agora é a hora de questionar para que sentido está indo a tecnologia, além de pensar em como massificá-la. "Penso que o futuro da realidade virtual é eliminar os óculos, que são dispositivos invasivos, e também fazer com que a tecnologia esteja em todos os lugares, por meio de um alto grau de comunicação de dados", disse Zuffo.

Além da estranheza do dispositivo em si, os presentes mencionaram o problema recorrente de enjoo quando usuários entram no mundo da realidade virtual. "Um dos focos principais de investimento, hoje, é em engenharia para deixar a experiência mais confortável", disse Roberto Gomes Correa, especialista em indústria técnica da Intel.

Aplicabilidade. Os presentes também defenderam que a tecnologia ainda depende de infraestrutura de rede e conteúdo adequado para crescer. "Mesmo com hardware melhor, se a rede não acompanhar, a experiência e a aceitação do público não serão boas", diz Correa, da Intel. Para ele, a realidade virtual oferece um campo de oportunidades de faturamento para produtores de conteúdo e operadoras - estas últimas, responsáveis por prover o 5G, tecnologia de conexão de próxima geração que será importante, por exemplo, para transmissões ao vivo.

Quanto ao conteúdo, foi muito discutida a necessidade de expandi-los, já que hoje estão restritos a nichos, como games e entretenimento. No debate, Fabio Ivatiuk, presidente executivo da startup de educação Beetools, que usa as tecnologias de realidade virtual e realidade aumentada como método de ensino, deu exemplos de uso das ferramentas para além do entretenimento. Ele contou sobre projetos como, por exemplo, usar a realidade virtual para o estudo de inglês, simulando uma viagem à Nova York.

Realidade aumentada. Os executivos também discutiram sobre a tecnologia de realidade aumentada, que é próxima da realidade virtual, mas tem suas especificidades. Como acontece no jogo Pokémon Go, a realidade aumentada mistura o mundo virtual com o real. Raymundo Barros, do Grupo Globo, contou sobre os projetos da empresa que já usam a tecnologia -- na Copa do Mundo, por exemplo, o apresentador Tiago Leifert interagia com imagens dos jogadores de futebol na tela na televisão.

Entretanto, ele explica que há muitos desafios técnicos e a experiência ainda está limitada a estúdios. "Temos a Ideia de levar isso para as casas das pessoas, em que elas possam assistir a um conteúdo enriquecido com digital, permitindo interação com esses elementos, como, por exemplo, dar um peteleco para eliminar algum participante do Big Brother Brasil que está no paredão", disse Barros.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade