2 eventos ao vivo

Fundador do Alibaba diz que cultura de horas extras é uma "grande bênção"

12 abr 2019
11h15
  • separator
  • comentários

O bilionário e fundador do Alibaba Group, Jack Ma, defendeu a extenuante cultura de horas extras em muitas empresas de tecnologia da China, classificando-a de "grande bênção" para os jovens trabalhadores.

Ma participa de evento em Xangai, China 12/11/2018 REUTERS/Aly Song
Ma participa de evento em Xangai, China 12/11/2018 REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

O magnata do e-commerce entrou em um debate sobre o equilíbrio entre trabalho, vida pessoal e as horas extras exigidas por algumas empresas, já que o setor desacelera após anos de crescimento vertiginoso.

Em um discurso para os funcionários do Alibaba, Ma defendeu o cronograma de trabalho '996' da indústria, que se refere a um dia de trabalho das 9h às 21h, seis dias por semana.

"Pessoalmente, acho que poder trabalhar 996 é uma grande bênção", disse ele em comentários postados na conta do WeChat da empresa.

"Muitas empresas e muitas pessoas não têm a oportunidade de trabalhar 996", disse Ma. "Se você não trabalha 996 quando você é jovem, quando você pode trabalhar 996?"

A questão alimentou um debate online e protestos em algumas plataformas de codificação, em que trabalhadores trocaram exemplos de demandas excessivas de horas extras em algumas empresas.

Ma, um ex-professor de inglês que foi co-fundador do Alibaba em 1999 e se tornou uma das pessoas mais ricas da China, disse que ele e os primeiros funcionários trabalhavam regularmente por longas horas.

"Neste mundo, todo mundo quer sucesso, quer uma boa vida, quer ser respeitado", disse Ma.

"Deixe-me perguntar a todos, se você não gastar mais tempo e energia do que os outros, como conseguir o sucesso que deseja?"

Este mês, ativistas do GitHub da Microsoft, o site de repositórios de código online, lançaram um projeto intitulado "996.ICU", em que os profissionais de tecnologia listaram o Alibaba entre as empresas classificadas como tendo algumas das piores condições de trabalho.

Na quinta-feira, um artigo de opinião publicado em um jornal estadual argumentou que o 996 viola a Lei do Trabalho da China, que estipula que a média de horas de trabalho não pode exceder 40 horas por semana.

"Criar uma cultura corporativa de horas extras incentivadas não apenas não ajudará a competitividade do núcleo de uma empresa, mas também poderá inibir e prejudicar a capacidade de inovação dela", escreveu o autor não identificado no Diário do Povo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade