PUBLICIDADE

Fundador da Safernet deixa o Brasil após ameaças de morte

Após comparecer a evento do TSE sobre desinformação e citar grupos neonazistas, Thiago Tavares buscou exílio na Alemanha

7 dez 2021 13h18
| atualizado às 13h51
ver comentários
Publicidade

O fundador e presidente da Safernet Brasil, organização que atua a favor dos direitos digitais, Thiago Tavares, assinou um documento confirmando que deixou o país e está autoexilado na Alemanha. Segundo a carta, Tavares recebeu ameaças de morte por participar de um evento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre desinformação nas eleições, citando a atuação de grupos neonazistas. Na semana passada, uma perícia concluiu que o MacBook Pro de Tavares estava infectado pelo malware Pegasus.

A carta assinada pelo fundador da SaferNet no Brasil foi endereçada aos funcionários do instituto e a organizações parceiras. A Folha obteve acesso ao documento e verificou a autoria de Thiago Tavares.  

Na carta, ele afirma que está "em grave e iminente risco", e que vem sofrendo ameaças de morte por sua atuação como acadêmico e defensor dos direitos digitais. No dia 26 de novembro, Tavares participou de um evento do TSE sobre desinformação nas eleições e, em uma parte da apresentação, abordou discursos de ódio e a atuação de grupos neonazistas e de supremacistas brancos. 

Fundador da Safernet Brasil se autoexila na Alemanha por ameaças de morte depois de citar atuação do movimento neonazista
Fundador da Safernet Brasil se autoexila na Alemanha por ameaças de morte depois de citar atuação do movimento neonazista
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado / Tecnoblog

"Existem hoje, no Brasil, centenas — e literalmente centenas — de células extremistas em atividade. Esses grupos não aceitam e nem conseguem conviver com a diversidade, e eles defendem a violência e propagam o ódio contra pessoas em razão da sua raça, cor, religião, orientação sexual, deficiência, origem nacional e regional", pontuou Tavares em palestra no evento do TSE.

Na última quinta-feira (2), uma perícia conduzida no MacBook Pro de Tavares encontrou indícios de que o aparelho estaria infectado pelo malware usado para espionagem da empresa israelita NSO Group. O programa vem sendo utilizado para vigiar a atuação de diversos ativistas de direitos humanos ao redor do mundo.

Apesar de já terem sido corrigidas, o Pegasus utilizou brechas em programas da Apple como o Apple Music, Fotos e iMessage para infectar iPhones e outros dispositivos da marca norte-americana. Atualmente, a empresa está processando a NSO Group pelo uso do malware ilegal. O WhatsApp também entrou com uma ação judicial contra a israelita.

No mesmo dia em que o Pegasus foi detectado em seu notebook, o fundador da Safernet Brasil afirma que uma familiar sofreu um traumatismo cranioencefálico ao desembarcar de um Uber em Salvador, na Bahia. Ela precisou ser internada na UTI devido à fratura.

Dez dias antes, outro incidente ocorreu também na capital baiana. Na ocasião, quatro criminosos armados realizaram um sequestro-relâmpago de um funcionário da Safernet Brasil e roubaram seu celular e laptop. Tavares estava a 800 metros do local da ocorrência. O crime ainda teria teor LGBTfóbico, segundo a carta.

O fundador da Safernet escreveu na carta que seu autoexílio é temporário. Tavares diz:

O exílio voluntário é um direito fundamental reconhecido internacionalmente e garantido a alguns indivíduos que, sentindo-se ameaçados ou vítimas de perseguição política, racial ou religiosa, podem buscar exílio por iniciativa própria em outros países.

Segundo a Folha, a Polícia Federal e o Ministério Público foram notificados sobre o caso. Tavares chegou à Alemanha no último sábado (4).

Pesquisadores lamentam exílio do fundador da Safernet

Além de ser fundador e presidente da Safernet Brasil, Thiago Tavares foi conselheiro titular do Comitê Gestor da Internet (CGI) entre 2014 e 2020. Sua presença em fóruns de direito digital no Brasil é constante, o que levou a muitos de seus pares a lamentarem o ocorrido.

Rafael Zanatta, diretor do Data Privacy BR, escreveu em sue Twitter:

Desesperador o exílio do Thiago Tavares da SaferNet. Caso muito muito tenso que deve despertar atenção de toda comunidade de direitos digitais no Brasil e no mundo. Estamos profundamente chateados e em solidariedade.

Já Mariana Valente, diretora do Internet Lab, destacou a infecção do notebook de Tavares pelo malware Pegasus:

Essa notícia aqui bateu muito, muito mal. O Thiago Tavares, diretor da Safernet, teve que se exilar em Berlim, depois de ameaças, ataques a pessoas próximas e computador infectado por Pegasus - o que precisa ainda ser explicado. É muito mistério e muito absurdo junto.

Tecnoblog
Publicidade
Publicidade