PUBLICIDADE

Facebook revela propostas para conselho de supervisão

27 jun 2019
12h16 atualizado às 14h24
0comentários
12h16 atualizado às 14h24
Publicidade

O Facebook divulgou nesta quinta-feira conclusões de suas consultas com especialistas externos sobre seu processo de revisão de conteúdo, dando uma ideia sobre como seus planos para uma proposta para um "conselho externo de supervisão" podem tomar forma.

16/12/2015
REUTERS/Dado Ruvic
16/12/2015 REUTERS/Dado Ruvic
Foto: Reuters

O Facebook pediu comentários nos últimos seis meses de mais de 650 pessoas em 88 países sobre o plano para o conselho, que, segundo a rede social, funcionará como um tribunal independente de recursos em decisões de conteúdo.

O presidente-executivo, Mark Zuckerberg, disse que as decisões sobre que discurso é aceitável no pacote de redes sociais do Facebook - usado por cerca de 2,4 bilhões de pessoas em todo o mundo - não devem ficar nas mãos da empresa.

De acordo com o relatório, os participantes das consultas da empresa concordaram amplamente que os funcionários do Facebook não deveriam ter vagas no conselho de supervisão. A empresa também não deve ser capaz de remover membros sem justa causa e deve esclarecer como definiria tal "causa", disseram eles.

Outras propostas populares envolvem dar condições para que o conselho escolha seus próprios casos, que as decisões do conselho devem estabelecer precedentes para casos futuros; e que o conselho deve ter o poder de influenciar as políticas de conteúdo do Facebook.

O Facebook enfrenta há muito tempo críticas por fazer muito pouco para bloquear discursos de ódio, incitação à violência, assédio e outros tipos de conteúdo que violam seus "padrões comunitários".

A empresa intensificou a aplicação das regras contra conteúdo ofensivo no último ano, empregando mais de 30 mil pessoas para monitorar conteúdo e se concentrou em melhorar a segurança das plataformas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade