0

Ex-Uber é acusado de roubar segredos do Google

Engenheiro foi acusado de 33 crimes de roubo e tentativas de roubo de segredos industriais

27 ago 2019
17h23
atualizado às 19h10
  • separator
  • 0
  • comentários

O engenheiro Anthony Levandowski, um dos maiores especialistas em carros autônomos do Vale do Silício, foi acusado por procuradores federais nesta terça-feira, 27, de 33 crimes relativos a roubo e tentativas de roubo de segredos industriais do Google, onde ele trabalhou no desenvolvimento de veículos de motorista. Segundo a queixa, Levandowski teria roubado 14 mil arquivos dos servidores da gigante americana para seu computador - com eles, fundou a startup de caminhões autônomos, depois comprada pelo Uber, onde o engenheiro também trabalhou.

05/12/2018
REUTERS/Arnd Wiegmann/File Photo - RC17E5DABF80
05/12/2018 REUTERS/Arnd Wiegmann/File Photo - RC17E5DABF80
Foto: Reuters

As acusações, feitas pelo advogado geral do Northern District da Califórnia, abrem um novo capítulo em uma batalha legal que já envolveu o Google, sua empresa de carros autônomos Waymo e o rival Uber. O caso também evidencia a cultura sem limites do Vale do Silício, na qual algumas barreiras morais são superadas em troca de obter vantagens contra competidores.

Não é incomum que empresas de tecnologia, que guardam ferozmente sua propriedade intelectual, processem ex-empregados. No entanto, a prática de uma acusação criminal de roubo é pouco usual. Entre os arquivos roubados por Levandowski, estão esquemas privados de placas de circuito e design de sensores de luz, uma tecnologia conhecida como Lidar e que é básica para o funcionamento dos carros autônomos. Se for condenado, Levandowski pode pegar 10 anos de cadeia, pagar multa de US$ 250 mil para cada uma das 33 acusações e ainda uma restituição adicional por danos.

As acusações se seguem a um acordo feito entre a Waymo e o Uber para resolver o caso de segredos industriais: depois de meses de audiências judiciais, o Uber concordou em ceder 0,34% de suas ações à Alphabet - cerca de US$ 245 milhões, na época - para encerrar as acusações da Waymo contra a empresa. O caso de Levandowski, porém, foi deixado de fora do acordo - na ocasião, o juiz federal apontado para o caso chegou a indicar que o engenheiro poderia ser acusado criminalmente.

Relembre o caso

Levandowski foi um dos pioneiros na pesquisa pelo carro autônomo. Seu primeiro grande feito aconteceu em 2004, quando ainda era estudante na Universidade da Califórnia em Berkeley, quando ele desenhou uma moto autônoma que venceu um concurso do Pentágono para veículos sem motorista. No Google, onde foi trabalhar depois, o engenheiro se tornou confidente de Larry Page.

Em 2016, Levandowski saiu do Google para fundar a Otto, que queria criar caminhões autônomos, levando consigo um time de engenheiros do Google. A empresa foi adquirida pelo Uber por US$ 700 milhões pouco tempo depois. O acordo foi pessoalmente dirigido por Travis Kalanick, presidente do Uber na época, que via o carro autônomo como futuro da empresa. Em 2017, porém, a Waymo processou o Uber, a Otto e Levandowski pelo roubo de suas informações. "Eles usaram nossa propriedade intelectual para não perder tempo e se arriscar fazendo sua própria tecnologia", disse a Waymo na acusação.

Levandowski teve uma trajetória complicada durante a batalha legal: ao invocar seu direito de permanecer calado para evitar se incriminar perante o tribunal, ele acabou sendo demitido pelo Uber em maio de 2017. "O Uber se arrepende de trazer Levandowski ao conselho", disse um dos advogados da empresa no ano passado.

Levandowski, que já faturou milhões com seu trabalho e a venda de suas startups, porém, não está parado. Em dezembro, ele cedeu uma entrevista ao The Guardian sobre sua nova startup, a Pronto.AI, que diz ter conseguido criar um carro capaz de dirigir de São Francisco a Nova York sem intervenção humana. Antes de seguir em frente, porém, o dono da empresa terá de provar sua inocência perante os tribunais. / TRADUÇÃO DE BRUNO CAPELAS

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade