5 eventos ao vivo

Ex-HSBC usa criptomoeda para combater lavagem de dinheiro

8 fev 2019
15h10
  • separator
  • comentários

Um dos denunciantes mais procurados do setor bancário, o francês Herve Falciani, escolheu novas armas improváveis para combater a lavagem de dinheiro e a fraude; a criptomoeda e a tecnologia blockchain.

Vivendo em exílio auto-imposto na Espanha, o ex-engenheiro de sistemas do HSBC, cujos vazamentos de dados de clientes desencadearam uma série de investigações fiscais tem trabalhado com acadêmicos espanhóis e especialistas em fintechs numa criptomoeda que ele acredita que os reguladores podem adotar.

Ele planeja lançar um token criptográfico "ético", chamado Tabu, tornando-o rastreável graças a um certificado mostrando seu registro limpo. Sonegadores de impostos, empresas obscuras, hackers e criminosos costumam usar criptomoedas para esconder suas transações.

"O que acontece com qualquer inovação ou tecnologia é que ela pode ser usada de maneira ruim ou de maneira amigável, com impacto social positivo", disse Falciani, que faz parte de um programa de proteção a testemunhas, à Reuters.

Falciani argumenta que a tecnologia blockchain -que está por trás de criptomoedas que verifica registros de transações criptografadas e as compartilha através de uma rede - pode adicionar transparência a qualquer transação eletrônica, ajudando na luta contra a fraude.

O projeto é desenvolvido por uma entidade sem fins lucrativos, os Tactical Whistleblowers, fundada na Espanha pelo engenheiro de TI nascido em Mônaco. O grupo inclui vários acadêmicos, principalmente matemáticos, da Universidade Politécnica de Valência, no leste da Espanha.

No ano passado, que marcou uma década desde o vazamento da "Falciani List", a alta corte espanhola rejeitou o segundo pedido de extradição da Suíça por Falciani, que disse que a renovação da atenção pública ajudou a gerar interesse dos investidores no Tabu.

"Se não fosse por isso, você não teria ouvido falar sobre o projeto de criptomoeda que eu participei", disse Falciani, que ganha a vida fazendo consultoria.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade