9 eventos ao vivo

Ericsson supera Huawei e vence contrato de 5G no Canadá

3 jun 2020
10h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

As ações da Ericsson atingiram a máxima deste ano após a fabricante sueca de equipamentos de telecomunicações aumentar sua presença no Canadá ao ganhar um contrato de redes 5G da Bell Canada, superando a chinesa Huawei.

28/06/2019
REUTERS/Aly Song
28/06/2019 REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

A Bell Canada, parte da BCE Corp, contou com a Huawei para implantar a infraestrutura 4G, mas escolheu a Ericsson enquanto o Canadá decide se permitirá que a Huawei venda equipamentos 5G no país.

Por volta de 10:30 (horário de Brasília), os papéis da Ericsson subiam mais de 2%, a 89,36 coroas suecas. Na máxima, chegaram a 90,06 coroas.

Os Estados Unidos levantaram preocupações de segurança sobre a Huawei e alertaram que seus aliados que usam equipamentos da empresa em suas redes correm o risco de serem impedidos de compartilhar informações valiosas. A Huawei tem negado repetidamente as alegações.

A conquista do contrato, o 93° da Ericsson para equipamentos de próxima geração, ampliará significativamente a participação de mercado da empresa com a Bell em comparação com a sua participação em redes 4G, disse um porta-voz da Ericsson. Ele se recusou a informar o valor do contrato.

Embora a escolha da Ericsson elimine a incerteza sobre o fornecimento em relação à implantação das redes 5G, ela pode aumentar os custos operacionais da Bell Canada, pois a troca de fornecedores e a troca de equipamentos levam vários anos para serem finalizadas.

A Bell Canada, segunda maior operadora de celulares do Canadá em receita de telefonia móvel, teria que gastar cerca de 200 milhões de dólares nos próximos anos para trocar os equipamentos da Huawei, disse Jeff Fan, analista do Scotiabank.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade