PUBLICIDADE

Clientes da Ford resistem à frota de veículos elétricos

21 out 2021 15h33
| atualizado em 22/10/2021 às 09h18
ver comentários
Publicidade

A Ford vê um mercado robusto para caminhões elétricos e vans até 2030, mas está enfrentando alguma resistência inicial de clientes comerciais que são um público-alvo para o novo F-150 Lightning e E-Transit, disse um executivo nesta quinta feira.

Protótipo do veículo elétrico F-150 Lightining, visto no Rouge Electric Vehicle Center em Dearborn, Michigan (EUA).
16/09/2021
REUTERS/Rebecca Cook
Protótipo do veículo elétrico F-150 Lightining, visto no Rouge Electric Vehicle Center em Dearborn, Michigan (EUA). 16/09/2021 REUTERS/Rebecca Cook
Foto: Reuters

Alguns compradores em potencial têm preferido esperar para ver, em parte por falta de experiência com veículos elétricos e em parte por falta de clareza na política governamental e nos regulamentos em torno de carros elétricos.

Para Cannis, esses não são obstáculos insuperáveis: "Nos EUA, vemos 70% da indústria de ônibus e vans de grande porte se transformando em eletricidade até 2030. Isso é mais de 300 mil veículos por ano. E esperamos (um mercado) que um terço das picapes de tamanho normal se tornem totalmente elétricas até 2030, o que significa mais de 800 mil veículos por ano."

Cannis disse que a Ford está otimista sobre a reação de clientes que dirigiram o Lightning e "acham que é o F-150 mais empolgante de todos os tempos". Com 150 mil reservas de clientes de frota e varejo, "temos tanta demanda que não tenho certeza de como podemos fornecer" veículos suficientes.

Em agosto, a Ford dobrou sua meta de produção para o Lightning por causa da forte demanda inicial pelo caminhão antes de seu lançamento em 2022. A Ford tem como meta a produção anual de mais de 80 mil desses veículos em 2024, acima de sua meta anterior de mais de 40 mil, disseram fontes à Reuters.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade