0

Cientistas criam braço robótico controlado pela mente

Pesquisadores combinaram técnicas de sensoriamento e aprendizado de máquina para criar uma interface...

4 jul 2019
10h41
atualizado às 12h43
  • separator
  • 0
  • comentários

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon, em parceria com a Universidade de Minnesota, ambas nos Estados Unidos, fez um grande avanço no campo do controle de dispositivos robóticos não invasivos. Usando uma interface cérebro-computador (BCI), os pesquisadores desenvolveram o primeiro braço robótico controlado pela mente de forma precisa.

Em artigo publicado na revista especializada Science Robotics, os pesquisadores descrevem como eles usaram uma combinação de técnicas de sensoriamento e aprendizado de máquina para criar uma interface cérebro-computador (BCI) capaz de alcançar sinais no cérebro de participantes usando eletrodos colocados sobre o couro cabeludo combinado à aplicação de um eletroencefalograma (EEG).

Foto: TecMundo

Até agora, os BCIs que usam sensoriamento externo não invasivo em vez de implantes cerebrais receberam sinais "mais sujos", o que leva a um controle menos preciso. "Houve grandes avanços em dispositivos robóticos controlados pela mente usando implantes cerebrais. É uma excelente ciência, mas o objetivo final é utilizar uma tecnologia menos invasiva", explica Bin He, professor e chefe do Departamento de Engenharia Biomédica da Carnegie Mellon University. 

Até agora, a tecnologia foi testada em 68 pessoas. Os pesquisadores pediram aos participantes que o usassem para direcionar um braço robótico para apontar para um cursor enquanto ele se movia pela tela do computador. O braço robótico foi capaz de rastrear continuamente o cursor em tempo real sem movimentos bruscos.

(Fonte: Futurism/Reprodução)
(Fonte: Futurism/Reprodução)
Foto: TecMundo

Aprimoramento

O artigo, "Neuroimagem não invasiva aprimora o rastreamento neural contínuo para controle de dispositivos robóticos", mostra que a abordagem da equipe não apenas melhorou o aprendizado BCI em quase 60% para tarefas tradicionais, mas também aprimorou o rastreamento contínuo do computador em mais de 500%. A tecnologia é diretamente aplicável aos pacientes e a equipe planeja realizar testes clínicos em breve.

"Apesar dos desafios técnicos usando sinais não invasivos, estamos totalmente comprometidos em tornar esta tecnologia segura e acessível para as pessoas que podem se beneficiar dela", diz He. "Este trabalho representa um passo importante nas interfaces cérebro-computador não invasivas, uma tecnologia que um dia pode se tornar uma tecnologia assistiva abrangente que ajuda a todos, como os smartphones", finaliza.

A pesquisa também foi apoiada em parte pelo Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa, pelo Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrames, pelo Instituto Nacional de Imagem Biomédica e Bioengenharia e pelo Instituto Nacional de Saúde Mental.

Veja também:

O projeto brasileiro no top 10 do "Nobel de Educação"

 

TecMundo
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade