1 evento ao vivo

Bolsonaro sanciona lei que criminaliza stalking no Brasil

Entra em vigor a lei que criminaliza stalking (perseguição) online e física, com pena prevista de seis meses a dois anos de reclusão

1 abr 2021
20h26
atualizado às 20h49
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aprovou na quarta-feira (31) a lei que criminaliza o stalking (perseguição) no Brasil. A prática, que se amplifica online, com o poder das redes sociais, também está proibida fora da internet, de maneira física. A decisão foi publicada nesta quinta-feira (1º) no Diário Oficial da União.

Homem usando smartphone
Homem usando smartphone
Foto: Manuel Del Moral/Unsplash / Tecnoblog

Segundo a lei, caracteriza o crime "perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade". A pena é de reclusão, de seis meses a dois anos, e multa.

Há ainda a possibilidade de aumento da pena em 50%, caso o crime seja cometido contra crianças, adolescentes ou idosos, e contra mulheres por razões da condição do sexo feminino. A extensão da punição também pode ocorrer caso haja a participação de duas ou mais pessoas e o emprego de armas.

Lei teve origem em projeto de combate ao feminicídio

A proposta da lei para tornar o stalking um crime no Brasil é de autoria da senadora Leila Barros (PSB-DF), e já havia sido aprovada pelo Senado em 2019. Entretanto, após alterações feitas pela Câmara dos Deputados, o projeto voltou para aprovação dos senadores, até ser aprovado novamente no início de março e encaminhado ao Presidente da República.

De acordo com o relator do projeto, senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), a proposta é de extrema importância no combate à perseguição sofrida por mulheres, especialmente no âmbito da violência doméstica e familiar. Segundo ele, o Brasil é o 5º país do mundo com mais casos de feminicídio - dos quais, 76% foram precedidos por casos de perseguição da parte de seus parceiros.

"A repressão ao stalking praticado com violência de gênero é essencial, diante da grande probabilidade de as condutas perpetradas pelo agente perseguidor tornarem-se, posteriormente, paulatina ou subitamente mais graves, evoluindo para agressões severas e, até mesmo, para o feminicídio", afirmou o senador.

Bolsonaro sanciona lei que criminaliza stalking no Brasil

Veja também:

LG abandona mercado de smartphones
Tecnoblog
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade