PUBLICIDADE

Boeing quer ser mais como a Apple, diz CEO da empresa

22 mai 2014 08h24
ver comentários
Publicidade
<p>Funcion&aacute;rios da Boeing na Carolina do Sul passam na frente dos motores de um 787 Dreamliner em processo de fabrica&ccedil;&atilde;o</p>
Funcionários da Boeing na Carolina do Sul passam na frente dos motores de um 787 Dreamliner em processo de fabricação
Foto: Randall Hill / Reuters

O CEO da Boeing disse que a empresa quer ser mais como a Apple na forma como inova, em vez de fazer projetos de longo prazo a cada 25 anos. Ao discursar em Seattle em uma conferência anual com analistas nesta quarta-feira, James McNerney disse também que o trabalho da Boeing era para melhorar a execução e a produtividade para reduzir custos e aumentar as margens.

Construir tecnologia e fazer um grande plano a cada 25 anos é o "o caminho errado para prosseguir este negócio", disse McNerney. "Queremos ser mais parecidos com a Apple", ao trazer produtos mais rapidamente.

O diretor operacional Dennis Muilenburg expandiu a comparação com a Apple, dizendo que o jato da Boeing 777X foi um exemplo do uso da tecnologia evolutiva para criar um produto revolucionário. "Nós ainda vamos entregar capacidade revolucionária", disse a analistas na conferência. 

A Apple fez uma série de dispositivos de consumo eletrônicos populares na última década, que vão desde o notebook MacBook ao tocador de múscia iPod Touch, o iPhone e o tablet iPad.

A Boeing optou por adaptar a tecnologia aos seus 777X e 737 MAX em vez de desenvolver novos aviões, como o 787, com mais de US$ 20 bilhões em custos de produção diferidos.

A unidade de defesa, espaço e segurança da Boeing planeja cortar US$ 2 bilhões nos próximos cinco anos e capturar uma "fatia desproporcional" de crescimento dos mercados internacionais, acrescentou McNerney.

Saiba quem são os bilionários da tecnologia Saiba quem são os bilionários da tecnologia

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade