0

Bird lança aluguel mensal de patinete elétrico por US$ 25

A empresa implementará os aluguéis mensais nas cidades de Barcelona e São Francisco; o serviço inclui a entrega do patinete elétrico na residência do usuário

1 mai 2019
17h26
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Pioneira do mercado de patinetes elétricos, a Bird anunciou nesta terça-feira, 30, a incorporação de serviço de aluguéis mensais. De acordo com o site The Verge, por US$ 25 mensais será possível receber o patinete em casa e o utilizar ilimitadamente durante todo o mês. A nova possibilidade estará disponível em Barcelona e em São Francisco. O serviço inclui ainda a retirada do patinete pela empresa após o fim do aluguel. A expectativa, caso a iniciativa tenha sucesso, é implementar o serviço nas demais cidades em que a empresa está presente.

Em outubro do ano passado, a Bird já havia informado a intenção de realizar serviços de entregas dos patinetes. No caso do serviço de aluguel, o usuário compartilhará onde prefere a entrega do veículo, em casa ou no trabalho, por exemplo. Um representante da empresa então irá entrar em contato e combinar os detalhes de entrega do patinete, carregador e tranca. Uma vez que o período de aluguel acabe, a Bird busca os itens no local acordado.

O modelo tradicional da Bird funciona de modo simples: o usuário localiza o Bird mais próximo e desbloqueia o patinete no aplicativo por US$ 1 e a cada minuto utilizado são pagos entre US$ 0,10 e US$ 0,30. A intenção de implementar os pacotes mensais é trazer, portanto, maior conveniência para os clientes.

A nova possibilidade também é uma resposta às proibições da atuação da maior parte das empresas de patinete elétrico, em São Francisco, que não dispunham de locais apropriados para alocar veículos após o uso do cliente. A norma está em vigor na cidade desde agosto de 2018 e foi uma reação aos patinetes ao descarte dos patinetes nas calçadas sem que antes as empresas prestadoras consultassem a administração de São Francisco. Por meio dos planos mensais, a Bird passa a se enquadrar como uma prestadora de serviços de concierge e, assim, não se enquadra na proibição.

Atualmente, a Bird está presente no mercado norte-americano e em parte da Europa, como nas capitais Paris, Madrid e Londres. No mês passado, contudo, a empresa anunciou que também atuará em outras 50 cidades, ainda não divulgadas, da Europa e do Oriente Médio. Além disso, também divulgou intenções de expansão para a América Latina com foco de parceria com empreendedores, que arcariam com os custos de operação e manutenção. No Brasil, outras empresas inspiradas no modelo de negócios da Bird já atuam, entre elas a Yellow e a Grin.

Veja também:

Como a Tesla fez de Musk a 2ª pessoa mais rica do mundo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade