1 evento ao vivo

Alemanha não quer barrar Huawei de redes 5G, diz ministro

7 mar 2019
20h39
  • separator
  • comentários

A Alemanha não quer proibir a fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicações Huawei de construir suas redes 5G, disse o ministro da Economia, Peter Altmaier, nesta quinta-feira, acrescentando que Berlim irá em vez disso reforçar os critérios de segurança para todos os fornecedores.

Logotipo da Huawei sobre equipamento da companhia, em Pequim, China. 7/3/2019. REUTERS/Thomas Peter/File Photo
Logotipo da Huawei sobre equipamento da companhia, em Pequim, China. 7/3/2019. REUTERS/Thomas Peter/File Photo
Foto: Reuters

Questionado pelo canal de televisão ZDF se o governo planeja barrar a Huawei de um iminente leilão de 5G devido a receios envolvendo os laços da líder do mercado global com o governo chinês, Altmaier disse: "Não, não queremos excluir nenhuma companhia".

Mas o governo irá alterar a lei para garantir que todos os componentes usados nas redes 5G sejam seguros e que não haja nenhuma violação a regras de proteção de dados, acrescentou.

Altmaier também disse que o governo não irá usar seus poderes de veto aumentados para impedir que empresas estrangeiras assumam o controle neste caso, uma vez que a construção da rede 5G não é uma questão de fusão ou aquisição.

Mais cedo nesta quinta-feira, a Alemanha estabeleceu critérios mais rígidos para empresas que fornecem equipamentos de redes de telecomunicações, por pouco não destinando tratamento especial à chinesa Huawei e dizendo, em vez disso, que as mesmas regras devem se aplicar a todos os fornecedores.

O anúncio acontece após meses de debate sobre se a Alemanha iria se alinhar com os Estados Unidos e com alguns aliados ao barrar a Huawei da construção de redes 5G devido a preocupações de segurança e espionagem.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade