0

30 anos de World Wide Web: as três grandes ameaças ao futuro da internet, segundo criador da rede

Tim Berners-Lee criou a world wide web em 1989, dois anos antes do lançamento do primeiro site; hoje, ele diz ser necessária uma 'correção de caminho' para evitar 'futuro disfuncional' da internet.

12 mar 2019
08h44
atualizado às 10h33
  • separator
  • 0
  • comentários

O criador da World Wide Web, Tim Berners-Lee, diz ser necessária uma ação global para conter "o mergulho (da internet) rumo a um futuro disfuncional". Em entrevista exclusiva à BBC, Berners-Lee falou sobre os 30 anos que se passaram desde que ele apresentou a proposta para criar a world wide web em 1989.

A World Wide Web é a estrutura que permitiu que as pessoas pudessem desfrutar do conteúdo transferido pela internet. Hoje, os termos web e internet são vistos praticamente como sinônimos.

Tim Berners-Lee criou a internet em 1989, dois anos antes do lançamento do primeiro site
Tim Berners-Lee criou a internet em 1989, dois anos antes do lançamento do primeiro site
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Ele disse que o escândalo envolvendo a empresa britânica Cambridge Analytica - acusada de usar, para fins políticos, informações privadas de 87 milhões de usuários do Facebook - fez com que as pessoas percebessem de forma mais clara como os dados de milhares de usuários podem ser manipulados.

Segundo o criador da internet, é possível encontrar soluções para combater violações de dados, hacking e desinformação.

Em uma carta aberta divulgada na segunda-feira, Berners-Lee reconheceu que muitas pessoas duvidam que a web possa ser uma força do bem.

Ele mesmo reconhece ter inquietações com o futuro da internet. "Estou muito preocupado com a proliferação de desinformação e sordidez", disse ele à BBC.

Mas ele reconhece que as pessoas estão começando a entender melhor os riscos de ser usuário da internet.

Berners-Lee encara a internet como um adolescente problemático e tem como missão pessoal colocá-la de volta ao rumo certo
Berners-Lee encara a internet como um adolescente problemático e tem como missão pessoal colocá-la de volta ao rumo certo
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Quando o escândalo da Cambridge Analytica veio à tona, as pessoas perceberam que as eleições foram manipuladas com dados que elas forneceram", afirmou na entrevista.

Berners-Lee diz ainda que nos últimos anos tem sentido que cada vez mais os princípios de uma rede aberta precisam ser salvaguardados. Na carta assinada por ele, estão listadas três áreas específicas de "disfunção" que, segundo o criador da internet, estão prejudicando a web hoje:

- Atividades maliciosas, como hacking e assédio

- Projetos de design duvidoso, como modelos de negócios que recompensam cliques

- Consequências não intencionais, como discussões agressivas ou polarizadas

São problemas que poderiam ser, em parte, combatidos com novas legislações e sistemas que limitem o mau comportamento online. Berners-Lee cita, como exemplo, iniciativas como o projeto Contract for the Web (Contrato para a Rede) que ele ajudou a lançar no ano passado.

Mas iniciativas como essas exigem contribuição de toda a sociedade, de usuários a líderes políticos e empresários.

'Consertar' os problemas da internet exige a contribuição de toda a sociedade, diz o criador da rede
'Consertar' os problemas da internet exige a contribuição de toda a sociedade, diz o criador da rede
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Precisamos de defensores da rede aberta dentro do governo - funcionários públicos e autoridades eleitas que tomem providências quando os interesses do setor privado ameaçarem o bem público e se levantem para proteger a internet aberta", escreveu Berners-Lee na carta.

Durante a entrevista que concedeu à BBC, ele exibiu bom humor quando lembrou de como apresentou sua proposta para a web há 30 anos - que foi descrita pelo chefe de Bernes-Lee como "vaga, mas instigante".

Mas nos últimos anos, entretanto, ele se deu conta de que não bastava apenas fazer campanha por uma rede aberta e largar as pessoas cuidando de seus próprios interesses.

O humor de Tim Berners-Lee mudou quando ele foi perguntado sobre o que aconteceu desde que apresentou sua proposta para a web há 30 anos
O humor de Tim Berners-Lee mudou quando ele foi perguntado sobre o que aconteceu desde que apresentou sua proposta para a web há 30 anos
Foto: BBC News Brasil

Berners-Lee tem um plano. O Contract for the Web almeja colocar as coisas de volta no caminho certo, mas depende da vontade de governos e empresas para conter abusos e também da população, que precisa pressionar para que as coisas mudem.

Na entrevista, a última pergunta foi se, de forma geral, o impacto da internet tem sido bom. Em vez de dar uma resposta otimista, o criador da rede gesticulou indicando primeiro uma curva ascendente e, em seguida, uma curva para baixo. Ele diz que depois de bons 15 anos, as coisas pioraram e que chegou a hora de uma "correção de meio do caminho".

A invenção genial cresceu e agora pode ser encarada como um adolescente problemático. Berners-Lee tem como missão pessoal colocar a internet de volta no rumo certo.

Há três áreas específicas de "disfunção" que, segundo o criador da internet, prejudicam a web
Há três áreas específicas de "disfunção" que, segundo o criador da internet, prejudicam a web
Foto: BBC News Brasil

A visão de Berners-Lee é "ao mesmo tempo utópica e realista", disse Jonathan Zittrain, autor do livro The Future of the Internet - and How to Stop It (O Futuro da Internet - E Como Impedi-lo), ainda sem tradução em português.

O criador da rede acredita na ideia de que uma internet livre e aberta capacitaria seus usuários, em vez de reduzi-los a meros consumidores, diz Zittrain.

"Eu vejo a carta de Tim não apenas como um chamado para construir uma internet melhor, mas para nos dedicarmos aos princípios centrais que ela incorpora", disse Zittrain à BBC.

Esses princípios, disse ele, incluem universalidade de acesso e transparência - a capacidade de ver e entender como a internet e suas aplicações funcionam.

Veja também:

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade