2 eventos ao vivo

CNBB cutuca governo sobre sínodo: "de Igreja para Igreja"

Dom Leonardo Steiner confirmou que evento tratará da 'realidade' da Amazônia, o que despertou atenção e suspeitas do governo Bolsonaro

11 fev 2019
21h46
atualizado em 12/2/2019 às 07h51
  • separator
  • comentários

BRASÍLIA - Um dia após o Estado revelar que o governo federal quer neutralizar potenciais críticas de líderes católicos ao presidente Jair Bolsonaro no Sínodo da Amazônia, encontro religioso convocado pelo papa Francisco, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Steiner, afirmou nesta segunda-feira, 11, que o evento é "da Igreja para a Igreja".

Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil 
Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil
Foto: Reprodução/CNBB / Estadão Conteúdo

"É um evento, uma celebração da Igreja para a Igreja. É claro, da Igreja para a Igreja, envolve toda a questão da Pan-Amazônia: os povos, o meio ambiente, toda essa realidade certamente será abordada", disse dom Leonardo, em vídeo divulgado pela CNBB.

Conforme o Estado mostrou, o governo Bolsonaro acionou o Itamaraty para buscar interlocução com o Vaticano. Uma das tentativas era que um representante diplomático do Brasil participasse da reunião de bispos, o que causou reação negativa entre os religiosos brasileiros. Segundo ele, nunca houve políticos no evento. A Santa Sé é a responsável pela organização e qualquer convite passa pelo crivo do papa.

No vídeo, a CNBB reproduziu falas do papa Francisco explicando a importância do Sínodo da Amazônia. A entidade destacou que o encontro estava programado desde 2017 - ou seja, antes da eleição de Bolsonaro. Depois de uma série de reuniões preparatórias nas dioceses pelo Brasil, que despertaram a atenção da inteligência e dos militares, ocorrerá em outubro, em Roma, na Itália.

"Como ouvimos e vimos, o santo padre Francisco convocou um Sínodo para a Pan-Amazônia já em 2017. Neste ano, celebraremos o Sínodo para a Pan-Amazônia. Para isso, nós contamos com a presença e a oração de todas as pessoas do Brasil, mas também dos outros oito países que envolvem a Amazônia", pede dom Leonardo. "O santo padre deseja que encontremos caminhos para evangelização."

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade