PUBLICIDADE

Servidora do STJ morre durante férias em acidente em trilha nos Alpes Peruanos

Maria Lucia era assessora-chefe do Núcleo de Gerenciamento de Precedentes e Ações Coletivas; Presidente e ministros do STJ lamentaram morte

2 ago 2022 - 21h01
(atualizado às 21h07)
Ver comentários
Maria Lucia Paternostro Rodrigues e o ministro Humberto Martins
Maria Lucia Paternostro Rodrigues e o ministro Humberto Martins
Foto: Divulgação/STJ

Uma servidora do Superior Tribunal de Justiça (STJ) morreu durante uma viagem de férias após cair em uma trilha nos Alpes Peruanos. Maria Lucia Paternostro Rodrigues, de 46 anos, era assessora-chefe do Núcleo de Gerenciamento de Precedentes e de Ações Coletivas (Nugepnac). 

A informação foi confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça nesta terça-feira, 2, que pelo site oficial do órgão divulgou que a assessora faleceu vítima de um acidente em montanha no Peru. No texto, o presidente do STJ e do Conselho da Justiça Federal (CJF), ministro Humberto Martins, manifestou profundo pesar pelo óbito da servidora. 

Segundo Martins, a servidora se destacava pelo saber jurídico exemplar, pela dedicação ao trabalho e pela gentileza e prestatividade no dia a dia com os colegas.

"O Tribunal da Cidadania está de luto! Expressamos nossa absoluta tristeza pela partida da nossa valorosa servidora Maria Lucia Paternostro Rodrigues. Ela honrou e dignificou não apenas o STJ, mas também todo o Poder Judiciário e o sistema de Justiça. A sua história de vida é um exemplo de entrega com excelência e amor à causa da cidadania brasileira. Que Deus, em sua misericórdia infinita, conforte e fortaleça todos os familiares e amigos", declarou o presidente do tribunal.

Entre os ministros do STJ que prestaram condolências, o ministro Paulo de Tarso Sanseverino afirmou que Maria Lucia era uma servidora "extremamente inteligente, diligente, competente e dedicada".

Para o ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, trata-se de falecimento que "entristece a todos"; no mesmo sentido, o ministro Marco Aurélio Bellizze ressaltou que a tragédia representa um fato lamentável para todo o Judiciário.

O ministro Moura Ribeiro enalteceu o legado da servidora, na condição de assessora-chefe do Nugepnac, para o fortalecimento da gestão de precedentes do STJ. "Pude testemunhar sua  competência e sua dedicação ímpar durante todo o expediente – e fora do expediente também", complementou o ministro Rogerio Schietti Cruz.

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade