2 eventos ao vivo

Trump quer EUA fora de tratado nuclear; Rússia pode retaliar

Após presidente norte-americano anunciar saída,ministro russo diz que não restará ao Kremlin opção senão adotar medidas retaliatórias

21 out 2018
10h29
atualizado às 12h21
  • separator
  • comentários

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump afirmou que seu país vai se retirar de um tratado de armas nucleares firmado com a Rússia nos tempos da Guerra Fria, fazendo com que Moscou ameaçasse neste domingo (21/10) adotar medidas de retaliação.

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Foto: DW / Deutsche Welle

O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) - negociado em 1987 pelo então presidente americano, Ronald Reagan, e pelo líder soviético Mikhail Gorbachev - determinou a eliminação de mísseis nucleares e convencionais de curto alcance por ambos os países.

Foi o primeiro acordo para reduzir os arsenais nucleares e que levou à eliminação em 1991 de todos os mísseis balísticos e de cruzeiro de médio e curto alcance de ambas as potências, um passo essencial para pôr fim às tensões da Guerra Fria.

Trump alegou que a Rússia violou o pacto. "A Rússia infelizmente não honrou o acordo, então nós vamos encerrar o acordo e vamos nos retirar", disse o presidente a repórteres durante um comício em Nevada neste sábado. "Eles vêm violando o a acordo há vários anos. Não sei por que o presidente [Barack] Obama não negociou ou se retirou [do acordo]."

O vice-ministro do Exterior russo, Serguei Ryabkov, afirmou neste domingo que uma retirada unilateral dos EUA do tratado seria "muito perigosa". Segundo ele, não restaria à Rússia outra opção senão retaliar com medidas de "natureza técnico-militar".

Míssil russo: Moscou nega alegações e acusa Washington de violar tratado de 1987
Míssil russo: Moscou nega alegações e acusa Washington de violar tratado de 1987
Foto: DW / Deutsche Welle

De acordo com agências de notícias russas, Ryabkov afirmou que o governo Trump está usando o tratado para chantagear o Kremlim, colocando a segurança global em risco numa tentativa de alcançar "supremacia total" na esfera militar.

Ryabkov disse que Moscou vem cumprindo o tratado "de modo estrito" e alegou que Washington é quem está violando o acordo.

A imprensa americana havia antecipado que o assessor de segurança nacional de Trump, John Bolton, pressionou o presidente para sair do acordo, argumentando que a Rússia o violou. Bolton partiu neste sábado para Moscou, onde deve se reunir com altos funcionários do governo de Vladimir Putin.

"Não vamos deixar que eles violem um acordo nuclear e façam armas e não nos permitam fazê-las", afirmou o assessor de segurança nacional.

Autoridades americanas reclamam do lançamento de mísseis do tipo 9M729 por Moscou, os quais Washington afirma que são capazes de percorre mais de 500 quilômetros. O tratado INF baniu mísseis capazes de percorrer distâncias ente 500 e 5.500 quilômetros.

Em declarações divulgadas pelo jornal Financial Times, o ministro da defesa britânico, Gavin Williamson, afirmou que Londres apoia Washington de maneira "resoluta" quanto à questão, e que o Kremlin está zombando do acordo.

Trump afirma que os EUA vão desenvolver esse tipo de armas ao menos que a Rússia e a China concordem em parar de desenvolvê-las. A China não é signatária do tratado INF e, portanto, pode desenvolver livremente armas nucleares de médio alcance.

As tensões entre Estados Unidos e Rússia vêm aumentando em meio a uma série de acusações que que Moscou interferiu nas eleições presidenciais americanas de 2016. Os dois países também divergem quanto ao apoio do Kremlin ao governo sírio na guerra civil do país e quanto ao papel russo no conflito na Ucrânia.

Veja também

 

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade