0

Protestos de rua contra cortes na Educação elevam desgaste do governo

Sem força para aprovar seus projetos no Congresso, Planalto enfrenta primeiras manifestações de rua; atos acontecem em cerca de 250 cidades

15 mai 2019
22h25
atualizado em 16/5/2019 às 00h01
  • separator
  • 0
  • comentários

Desgastado por uma série de derrotas e obrigado a fazer concessões no Congresso Nacional, o governo do presidente Jair Bolsonaro foi alvo nesta quarta-feira, 15, dos primeiros grandes protestos de rua. Manifestações registradas em cerca de 250 cidades do País contra bloqueio de recursos no orçamento da Educação ganharam um contorno mais amplo de críticas à atual gestão. Em viagem oficial nos Estados Unidos, Bolsonaro procurou desqualificar a mobilização classificando a "maioria" dos manifestantes como "idiotas úteis" e "imbecis, que estão sendo usados como massa de manobra".

Os atos ocorreram no mesmo dia em que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, participou de uma audiência na Câmara dos Deputados. Ele foi convocado por parlamentares para explicar o contingenciamento na área. A sabatina, porém, expôs ainda mais o clima hostil que o governo enfrenta no Congresso.

O ministro provocou os deputados ao defender o uso de recursos recuperados de corrupção na área, afirmou ter a ficha limpa e não ter passagem pela polícia. Disse que tem carteirada assinada e questionou se os deputados sabem o que é isso. Weintraub foi alvo de vaias de parlamentares da oposição, que pediram em coro sua demissão.

Protestos contra cortes na Educação preocupam Planalto

Os protestos pelo País preocuparam o Palácio do Planalto. A avaliação foi a de que as passeatas, em princípio convocadas contra o ministro da Educação, se transformaram em atos de peso contra o governo. A portas fechadas, auxiliares de Bolsonaro disseram que o próprio presidente ajudou a inflamar os protestos ao atacar os manifestantes.

À noite, em entrevista à GloboNews, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, avaliou como "natural" que a população brasileira tenha saído às ruas para protestar contra o contingenciamento de verbas à Educação, mas lamentou que alguns grupos tenham tentado "manipular" os movimentos levantando bandeiras político-partidárias. Ele destacou que o contingenciamento de verbas foi "generalizado", e não atingiu somente o MEC.

Nos atos, diversas faixas usavam a palavra "balbúrdia" para protestar contra o governo. Os manifestantes faziam referência à entrevista dada pelo ministro ao Estado, no qual ele anunciou que universidades federais que promovessem "bagunça" ou "evento ridículo" teriam até 30% de seus recursos bloqueados.

Os maiores eventos aconteceram na Avenida Paulista, em São Paulo, e na região central do Rio. Centrais sindicais deram suporte para as manifestações. Na tentativa de pegar carona nos atos, a CUT decretou "dia nacional de mobilização" em todos os seus sindicatos. A Força Sindical emprestou carros de som e fez pequenas paralisações em fábricas nos Estados para tratar do tema dos protestos.

O presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, avaliou que houve "exploração política" das manifestações.

Na capital paulista, participantes carregavam bandeiras de movimentos estudantis, centrais sindicais e partidos de esquerda. Mas a grande maioria era formada por professores, estudantes e pais de alunos que foram à manifestação de forma espontânea.

Movimentos que atuaram de forma ativa nas manifestações pelo impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff não participaram dos protestos. Em suas redes sociais, o MBL, porém, fez criticas ao Executivo: "Governo se embananou todo com a história da balbúrdia, ficou uma semana em cima de uma narrativa falsa e esquerda soube aproveitar, mesmo que com distorção, a oportunidade pra fazer uma de suas maiores mobilizações de rua desde o começo do impeachment."

TV Estadão - O orçamento das universidades

MM_AG_PT_ASSET_997598

Apoiadores de Bolsonaro se dividiram nas redes sociais em críticas ou apoio às manifestações. No Twitter, o músico Lobão disse que "vai vir das ruas e dos estudantes o início da revolta". "Chamar estudante de idiota útil me lembra o Collor, meio fora da casinha. O presidente tem sido relapso com essa base", completou.

Já o youtuber Nando Moura fez vídeo para dizer que os governos petistas também cortaram verbas de educação. "Enquanto o PT fazia a maior putaria, estavam todos quietinhos. Agora inventam essa esparrela, quando as pautas são Lula Livre e Fora Bolsonaro", afirmou. /RICARDO GALHARDO, BRUNO RIBEIRO, ISABELA PALHARES, VERA ROSA, JULIA LINDNER, RENATA AGOSTINI, RENATO ONOFRE, BRUNO CAPELAS e LETICIA FUCUCHIMA

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade