PUBLICIDADE

Pacheco discorda de decisão do STF e afirma que descriminalização é competência do Legislativo

"Há uma lógica jurídica, política, racional em relação a isso, que, na minha opinião, não pode ser quebrada por uma decisão judicial", afirmou o presidente do Senado

25 jun 2024 - 17h42
Compartilhar
Exibir comentários

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, declarou, em entrevista coletiva nesta terça-feira (25), sua discordância com a votação do Supremo Tribunal Federal (STF), que aprovou a descriminalização do porte de maconha. Pacheco afirmou que tal discussão deve ser "através do processo legislativo, não por uma decisão judicial".

Rodrigo Pacheco (PSD
Rodrigo Pacheco (PSD
Foto: MG), presidente do Senado - Marcos Oliveira/Agência Senado / Perfil Brasil

"Há uma lógica jurídica, política, racional em relação a isso, que, na minha opinião, não pode ser quebrada por uma decisão judicial que destaque uma determinada substância entorpecente, invadindo a competência técnica que é própria da Anvisa e invadindo a competência legislativa que é própria do Congresso Nacional", completou o presidente do Senado.

Votação do STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou, nesta terça-feira (25), a votação que analisa que o porte de maconha não faça mais parte do âmbito criminal. A Corte fechou o pleito com seis votos favoráveis à medida e três contrários.

Votaram a favor os ministros Gilmar Mendes (relator), Alexandre de MoraesEdson FachinLuís Roberto Barroso e Rosa Weber (antes de se aposentar). Os opositores foram Cristiano ZaninAndré Mendonça e Nunes Marques. O ministro Dias Toffoli abriu a sessão desta terça-feira esclarecendo seu voto como uma "terceira via", que visa a manutenção da atual Lei das Drogas, de 2006, pois, a seu ver, esta já determina a descriminalização do porte de drogas.

Após o voto de Toffoli, o presidente do STF, ministro Barroso, declarou a maioria para a aprovação da medida, que busca estabelecer um critério objetivo para diferenciar usuários de traficantes. A atual Lei das Drogas não tem tal critério, abrindo margem para que as abordagens policiais adotem diferentes decisões baseadas em métodos arbitrários, muitas vezes discriminatórios contra minorias.

Perfil Brasil
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade