0

Tensões continuam em alta na Caxemira, apesar de fim de algumas restrições

20 ago 2019
19h39
  • separator
  • 0
  • comentários

A Índia aliviou nesta terça-feira restrições de movimentação na principal cidade da Caxemira, Srinagar, embora grandes porções da historicamente inquieta região sigam interditados para impedir protestos contra a medida do governo de Nova Déli para retirar da região sua autonomia.

Família da Cashemira passa por bloqueio feito por moradores locais para impedir que forças de segurança da Índia entrem na região. Srinagar, 20/8/2019. REUTERS/Adnan Abidi
Família da Cashemira passa por bloqueio feito por moradores locais para impedir que forças de segurança da Índia entrem na região. Srinagar, 20/8/2019. REUTERS/Adnan Abidi
Foto: Reuters

Pequenos grupos de soldados armados, muitos deles vestidos com equipamentos de choque, estavam posicionados no antigo bairro, e todas as lojas, a não ser algumas farmácias, estavam fechadas. Mesmo em áreas onde as restrições foram aliviadas, muitos estabelecimentos continuavam fechados.

Em Soura, um enclave em Srinagar densamente habitado que tem sido palco de protestos desde 5 de agosto, quando o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, retirou direitos especiais concedidos às províncias de Jammu e da Caxemira, a população construiu uma série de barricadas para manter afastadas as forças de segurança.

Muitas dessas foram montadas usando postes de luz caídos, reforçados com arame farpado e placas de madeira, onde os locais dizem estar fazendo guarda toda noite.

"O Artigo 370 e o 35A são nossos direitos, e continuaremos lutando até conseguirmos recuperá-los", disse um locutor na principal mesquita da região após as orações da tarde, em referência às provisões constitucionais retiradas pelo governo.

Autoridades locais disseram que forças de Segurança detiveram 30 pessoas em Srinagar para controlar os protestos. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade