3 eventos ao vivo

Suíça faz referendo no domingo sobre proibição do uso de burcas

Segundo mídia local, população está dividida sobre nova lei

5 mar 2021
15h17
atualizado às 15h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Suíça fará um referendo no próximo domingo (7) para aprovar ou não uma lei que proíbe o ato de esconder o rosto em público, uma medida que afeta diretamente as mulheres muçulmanas que usam burca ou o niqab.

Suíços vão decidir se liberam ou não o uso de niqab ou burca em público
Suíços vão decidir se liberam ou não o uso de niqab ou burca em público
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

As pesquisas de opinião mostram um país bastante dividido. Se no fim do ano passado o "sim" tinha uma grande folga, uma pesquisa publicada no fim de fevereiro pelo Instituto GFS mostrou que 49% são favoráveis à regra e 47% são contrários. Os outros 4% se declararam indecisos.

Os movimentos feministas e diversos partidos de centro, liberais e de esquerda se manifestaram contrários à nova lei primeiro porque a consideram "islamofóbica e machista" e, em segundo lugar, porque afirmam que a maior parte das mulheres que usam esse tipo de vestimenta são turistas e não moradoras. Ou seja, seria uma legislação "inútil".

A comunidade islâmica suíça é bastante pequena, representando cerca de 5% da população, e a tradição local não segue esse padrão de vestimenta para as mulheres - usando apenas o xador ou o hijab, os véus que deixam o rosto completamente à mostra.

Recentemente, leis do tipo foram aprovadas nos Países Baixos e na Bélgica, mas no caso suíço, ela não nasceu do Executivo ou do Legislativo. No país, qualquer sugestão de legislação com mais de 100 mil assinaturas vai para um referendo popular, em um sistema chamado de "democracia direta". Por isso, é bastante comum que os cidadãos da Suíça sejam convocados para irem às urnas para votar sobre os mais diferentes assuntos.

Para ser aprovada, a nova lei "antiburca", como vem sendo chamada, precisará obter a maioria dos votos gerais e também na maior parte dos 26 cantões do país. Caso o "sim" vença, além da proibição de uso fora de locais de culto, quem infringir a medida deverá pagar uma multa de 10 mil francos suíços (R$ 61,1 mil). .
   

Veja também:

Como foi o casamento real de Elizabeth e Philip em 1947
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade