PUBLICIDADE

Richard Gere será testemunha em processo contra mim, diz Salvini

Líder da extrema-direita responde por sequestro de migrantes

26 set 2021 12h44
| atualizado às 12h53
ver comentários
Publicidade

O ex-ministro do Interior da Itália e líder do partido de extrema-direita Liga, Matteo Salvini, afirmou neste domingo (26) que o ator norte-americano Richard Gere será testemunha no processo em que é réu por sequestro de pessoas e prevaricação.

Em 2019, Richard Gere criticou Salvini publicamente por bloqueio de barcos com migrantes
Em 2019, Richard Gere criticou Salvini publicamente por bloqueio de barcos com migrantes
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O caso refere-se a um fato ocorrido em agosto de 2019, quando era parte do governo como ministro, em que houve a proibição do desembarque de 147 migrantes que estavam no barco da ONG espanhola ProActiva Open Arms. A audiência está marcada para o dia 23 de outubro em Palermo.

"Richard Gere vai testemunhar contra mim. Eu o conheço como ator, mas não entendo que tipo de lição ele possa me dar, aos italianos e italianas sobre as nossas regras e as nossas leis. Se alguém quer transformar o processo em um espetáculo e quer ver o Richard Gere, que vá ao cinema, não ao tribunal", disse durante um evento em Assis.

Ironizando o fato, Salvini ainda disse que vai aproveitar "para pedir um autógrafo para levar para minha mãe".

Sobre sua defesa, o líder ultranacionalista diz que pediu a convocação de todos os membros do Gabinete do governo, à época formado pelo Movimento 5 Estrelas (M5S) e pela Liga, incluindo o ex-premiê Giuseppe Conte.

Ministro do Interior entre junho de 2018 e setembro de 2019, Salvini endureceu as políticas migratórias do país com a instituição de dois "Decretos de Imigração e Segurança", que ficaram conhecidos como "Decretos Salvini".

Entre as principais medidas, estavam a restrição de estadia na Itália por motivos humanitários, multas que chegavam a 1 milhão de euros para ONGs que navegassem sem permissão nas águas territoriais do país e prisão em flagrante de comandantes de embarcações que desafiassem as regras nacionais.

Os "Decretos Salvini" foram revogados logo após a Liga deixar a coalizão governista e que dava apoio ao então primeiro-ministro Conte.

Apesar da informação não ter sido confirmada pelo tribunal ou pela ONG, Gere foi uma das vozes internacionais contrárias a esses decretos.

O ator chegou a ir a um dos barcos que estavam impedidos de atracar na Itália - além da Open Arms, outras embarcações também foram bloqueadas - e criticou nominalmente Salvini.

À época, o então ministro mandou o ator "levar todas as pessoas a bordo e colocá-las em suas mansões". .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade