0

Relatório global da Human Rights Watch critica China por "opressão brutal"

15 jan 2020
09h59
  • separator
  • 0
  • comentários

A Human Rights Watch (HRW) publicou nesta quarta-feira uma análise contundente sobre o governo chinês, pedindo à comunidade internacional que reaja à "opressão mais brutal e invasiva que a China viu em décadas", em seu relatório anual de 2020.

Polícia prende manifestante em Hong Kong
05/01/2020
REUTERS/Tyrone Siu
Polícia prende manifestante em Hong Kong 05/01/2020 REUTERS/Tyrone Siu
Foto: Reuters

No domingo, o chefe global da organização, Kenneth Roth, foi proibido de entrar em Hong Kong, onde lançaria o relatório que analisa a situação dos direitos humanos em todo o mundo, mas dá destaque à China.

O relatório critica o tratamento dado pelo governo chinês aos muçulmanos uigures da região de Xinjiang e alerta que a influência política crescente da China e os esforços para censurar pessoas no exterior representam uma "ameaça existencial ao sistema internacional dos direitos humanos".

"Se não forem contestadas, as ações de Pequim pressagiam um futuro distópico no qual ninguém estará fora do alcance dos censores chineses, e o sistema internacional dos direitos humanos tão enfraquecido que não servirá mais como contraponto à repressão do governo", disse Roth no relatório.

No mês passado, a China anunciou sanções à HRW, que tem sede nos Estados Unidos, e a outras ONGs norte-americanas como contramedida à Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong aprovada pelos EUA, que apoia protestos antigoverno em Hong Kong e ameaça adotar sanções contra a China por casos de direitos humanos.

A China diz que as ONGs estão incentivando crimes violentos ligados aos protestos antigoverno que assolam Hong Kong há mais de seis meses. Roth rejeitou a acusação.

A mídia estatal chinesa também culpou em grande parte as notícias falsas e a interferência ocidental pelas vitórias majoritárias de candidatos anti-Pequim em eleições realizadas em Taiwan e Hong Kong.

Nesta quarta-feira, o grupo de ativismo pró-democracia norte-americano Freedom House, que também foi alvo de sanções, divulgou um relatório separado criticando os esforços de Pequim para influenciar a mídia estrangeira e pedindo aos governos que imponham penalidades a autoridades chinesas.

Geng Shuang, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, disse aos repórteres que não lerá nenhum dos relatórios, acrescentando que as duas organizações "distorcem a verdade" e não têm nenhuma objetividade.

"Atualmente, a situação dos direitos humanos na China é a melhor da história", afirmou Geng.

O relatório da HRW, publicado na Organização das Nações Unidas (ONU) na terça-feira, disse que a polícia de Hong Kong usou "força excessiva" e vem "restringindo cada vez mais a liberdade de reunião" na cidade, criticando a líder pró-Pequim Carrie Lam por se recusar a iniciar uma investigação independente sobre os abusos policiais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade