2 eventos ao vivo

Queda da indústria alerta para risco de recessão na Itália

País já registrou redução de 0,1% no PIB no terceiro trimestre

11 jan 2019
13h20
  • separator
  • comentários

A queda do índice de produção industrial em novembro acendeu o alerta para o risco de recessão na Itália, cujo Produto Interno Bruto (PIB) já teve desempenho negativo de 0,1% no terceiro trimestre de 2018.

Sede do Banco da Itália, em Roma
Sede do Banco da Itália, em Roma
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (Istat), o índice de produção da indústria em novembro passado registrou redução de 1,6% na comparação com outubro e de 2,6% em relação ao mesmo mês de 2017.

Com exceção do setor de energia (+1,0%), todos os segmentos da produção registraram contração, puxados pelo de bens intermediários, com queda de 2,4% em relação a outubro.

Os dados estão em linha com o desempenho da indústria em outros países europeus, como Alemanha (-1,9%), Espanha (-1,5%), França (-1,3%) e Reino Unido (-0,4%), sempre na comparação entre novembro e o mês anterior.

"Eu já temia um dado negativo da produção industrial. Os números de alguns parceiros europeus já tinham sido antecipados, e era difícil que a Itália não ficasse com sinal negativo", declarou o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Tecnicamente, bastam dois trimestres consecutivos com queda do PIB para um país entrar em recessão. O ministro italiano do Interior e vice-premier, Matteo Salvini, garantiu que o país está "preparado" para uma eventual nova crise econômica.

A Itália mal se recuperou da turbulência iniciada em 2008 e ainda convive com taxas de desemprego superiores a 10%, além de ter a quarta maior dívida pública do mundo, em torno de 130% do PIB. O risco de recessão, no entanto, não é exclusividade da Europa.

Segundo economistas americanos, existe uma chance de 25% de retração do PIB dos Estados Unidos nos próximos 12 meses, o maior índice dos últimos seis anos.

O levantamento é da agência Bloomberg, que cita os riscos relativos à guerra comercial com a China e à paralisação do governo de Donald Trump por causa do muro na fronteira com o México.

Ansa - Brasil   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade