0

Quase 1 milhão de chineses tomaram vacinas anti-Covid da Sinopharm

Imunizações receberam autorização de uso emergencial no país

20 nov 2020
14h37
atualizado às 14h55
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Quase um milhão de chineses já receberam duas vacinas experimentais anti-Covid produzidas pelo China National Pharmaceutical Group (Sinopharm), informou a farmacêutica nesta sexta-feira (20). Apesar de não ter os resultados sobre a eficácia ainda publicados, as imunizações receberam autorização do governo chinês para uso emergencial.

Vacinas da Sinopharm receberam autorização de uso emergencial na China
Vacinas da Sinopharm receberam autorização de uso emergencial na China
Foto: EPA / Ansa - Brasil

Segundo a autorização de Pequim, as doses podem ser aplicadas em casos considerados urgentes, como em funcionários e estudantes que precisam viajar para o exterior ou trabalhadores de setores essenciais, como médicos e enfermeiros.

"Nesse contexto, as nossas vacinas foram inoculadas em quase um milhão de pessoas e não recebemos nenhum feedback negativo ou relações adversas graves", disse o presidente da Sinopharm, Liu Jingzhen.

O líder do laboratório estatal informou que nenhuma das pessoas que tomaram o imunizante contraíram o coronavírus Sars-CoV-2, mesmo que "elas tenham viajado para mais de 150 países".

Até o momento, o único estudo divulgado cientificamente sobre uma das duas vacinas da Sinopharm, que não tem nome específico, foi publicado em 14 de agosto pelo "Journal of the American Medical Association (Jama)" e que constatou que, nas fases iniciais, a imunização conseguiu ativar a resposta imune do organismo em 320 voluntários.

Atualmente, a China tem quatro vacinas candidatas contra a Covid-19 na fase 3 de testes clínicos - a última etapa - em estudos que estão sendo realizados ao redor do mundo. As duas imunizações da Sinopharm estão também nessa fase e os testes estão sendo realizados, além da China, nos Emirados Árabes Unidos, Argentina, Peru, Egito e Jordânia. .

Veja também:

Trabalhadoras de fábricas indianas que produzem para grandes marcas alegam exploração e abusos
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade